Fonte: OpenWeather

    Operação


    Polícia Federal deflagra nova operação contra desvios na saúde do AM

    Denominada de "Cash Back", a nova operação é um desdobramento da Custo Político, que prendeu o ex-governador José Melo em 2017

    A operação é um desdobramento da ação anterior que prendeu o ex-governador José Melo | Foto: Divulgação

    Manaus - A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (11), a operação "Cash Back", que investiga um grupo envolvido no desvio de mais de R$ 200 milhões da saúde pública no Amazonas. A ação é um desdobramento da "Maus Caminhos".

    A operação deve cumprir 14 mandados de prisão e 40 de busca e apreensão, além de mandados de bloqueios de contas e de sequestro de bens móveis e imóveis.  Ao todo, 150 agentes da Polícia Federal participaram da ação.

    Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal, após manifestação do Ministério Público Federal.

    De acordo com PF, a operação é resultado da perícia realizada em celulares e computadores dos suspeitos identificados na "Custo Político", segunda fase da Maus Caminhos, em dezembro de 2017. Na época, o ex-governador José Melo e ex-secretários de saúde foram presos.

    Nos aparelhos, a polícia identificou trocas de mensagens entre os investigados e descobriu mais empresários, advogados e políticos envolvidos no esquema de corrupção. Falsificação de notas fiscais, empresas fantasmas e lavagem de dinheiro estão entre os crimes cometidos.

    O grupo investigado teria ligação com o médico e empresário Mohamed Mustafá, considerado o chefe da organização. Mustafá era proprietário de uma cooperativa de saúde e, por meio de licitações fraudulentas, recebia propinas de políticas e funcionários.

    "Apurou-se no inquérito policial que, dentre as fraudes identificadas, o modus operandi utilizado pela organização criminosa para o desvio de recursos públicos, consistia na realização de pagamentos superfaturados em preço e/ou quantidade, com a posterior devolução de parte do valor pago. Por essa razão, o nome da operação policial faz alusão ao modelo de compras que devolve parte do dinheiro ao consumidor", informou a PF.

    Conforme a PF, apenas em um dos contratos dessas empresas com o Estado do Amazonas, no valor de R$ 552 milhões, foi identificada fraude no valor de R$ 140 milhões.

    De acordo com a Receita Federal, existem indícios de fraudes fiscais da ordem de R$ 100 milhões, cujas autuações podem alcançar R$ 75 milhões. Segundo a CGU, foram identificados desvios de recursos públicos da ordem de R$ 142 milhões.

    Às 11h será realizada uma coletiva de imprensa na sede da Superintendência da Polícia Federal no Amazonas, no Dom Pedro, onde será será repassada mais informações sobre a operação.

    Leia mais: 

    Ex-primeira-dama do AM comparece para depor na sede da PF

    Mouhamad é condenado a 15 anos de prisão por desvios na saúde do AM

    José Melo realizou movimentação financeira incompatível com renda, aponta investigação