Fonte: OpenWeather

    Assassinato


    Homem é brutalmente assassinado com 30 facadas na Santa Luzia

    Segundo informações de testemunhas, aproximadamente 8 homens participaram do crime

    O crime está sendo investigado pela DEHS | Foto: Kennedson Paz

    Manaus - Um homem, até o momento não identificado, foi brutalmente assassinado com aproximadamente 30 facadas. O crime aconteceu por volta de 1h desta sexta-feira (8), dentro de um mercadinho, localizado na rua Leopoldo Neves, no bairro Santa Luzia, Zona Sul de Manaus.

    Testemunhas relataram à polícia que a vítima fez compras e saiu do estabelecimento. Minutos depois, o homem voltou fugindo de um grupo de criminosos.

    O bando, de aproximadamente 8 homens, desferiu as facadas na vítima e o arrastou para fora do comercio. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas o homem não resistiu aos ferimentos e morreu antes da chegada do socorro.

    A equipe do Portal EM TEMPO esteve no local e conversou com a dona do mercadinho, onde aconteceu o crime. A comerciante relatou que a vítima entrou no estabelecimento perdido socorro. 

    “Ele saiu correndo daqui e depois entrou gritando por socorro. Ele se jogou em cima de mim e me segurou pedindo ajuda, mas, em seguida, os criminosos entraram e o arrastaram para o meio da rua, depois disso tranquei tudo e não vi mais nada”, relatou a mulher.

    A roupa da comerciante ainda estava suja de sangue da vítima. Na rua também foi possível observar marcas de sangue.  

    Conforme consta no registro do Instituto Médico Legal (IML), a vítima tem entre 20 a 25 anos, 1,60 de altura, é pardo e estava trajando camisa verde e bermuda cinza. Além disso, ele tinha algumas tatuagens pelo corpo, sendo o nome “Alessandra”, no braço direito, “Meire” no ombro esquerdo, um escorpião na perna direita e nas costas os nomes “Galo”, “Jorge TX” e “Sol Cardio”. 

    O corpo ficará na sede do IML até algum familiar comparecer para fazer o reconhecimento. De acordo com a Delegacia Especializada em Homicídio e Sequestros (DEHS), responsável pela investigação, ainda não está claro as motivações do assassinado.