Fonte: OpenWeather

    Homicídio


    Vídeo: veja momento que Givancir algemado deixa delegacia em viatura

    O presidente do Sindicato dos rodoviários em Manaus teve a prisão decretada. Ele é suspeito de matar um jovem e ferir outro em Iranduba

    A transferência aconteceu na noite de hoje
    A transferência aconteceu na noite de hoje | Foto: Reprodução


    Manaus - Sob aplausos, vaias e gritos de "assassino, assassino...", o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus, Givancir Oliveira, deixou a 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), situada em Iranduba, no início da noite desta segunda-feira (2), e foi transferido para Manaus no camburão de uma viatura policial. Ele foi preso  por homicídio e tentativa de homicídio.

    Um vídeo feito do lado de fora da delegacia mostra ele algemado e sendo levado até a viatura da Polícia Civil. Mesmo sendo uma figura conhecida, Givancir não conta com os privilégios na prisão. Ele foi transferido como preso comum. Ainda na noite de hoje (2), ele deve passar por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), na zona Norte de Manaus. 

    Os advogados de Givancir informaram que vão recorrer da decisão do juiz de direito Carlos Henrique Jardim da Silva, que responde pela 2ª Vara da Comarca de Iranduba, que atendeu ao pedido da Polícia Civil do Estado do Amazonas, e decretou a prisão temporária por um período de 30 dias. Além disso, Sylvio Costa, advogado de Givancir Oliveira, confirmou que o cliente decidiu cancelar a candidatura à Prefeitura de Iranduba na eleição deste ano.

    Conforme o advogado de defesa Orlando Bentes, Givancir se apresentou espontaneamente para prestar esclarecimentos sobre a morte de Bruno de Freitas Guimarães, que tinha 24 anos e da tentativa de homicídio da prima dele identificada como “Tchelsy”, ocorrido na tarde do último sábado (29), naquele município.

    “Nós vamos trabalhar para revogar essa prisão. Já foram dados os esclarecimentos sobre onde ele estava no momento do crime e não houve qualquer participação, nem direta e nem indireta, do meu cliente. Não há fundamentos necessários para a manutenção dessa prisão”, disse Bentes.

    O advogado destacou que não houve indiciamento de Givancir de Oliveira. A defesa teve acesso aos depoimentos e declarou que muitas informações estão desencontradas. A oitiva durou apenas meia hora. 

    Sylvio Costa que também é advogado de defesa explicou que o indiciamento é feito quando se tem provas do crime e isso não aconteceu.

    “Não existe nada que vincule Givancir a esse crime. Meu cliente acredita que essas acusações se dão em razão de perseguição política. Ele era pré-candidatou à Prefeitura de Iranduba, mas agora ele retirou a pré-candidatura e irá focar na defesa”, concluiu.

    Movimentação

    Após as primeiras informações sobre a prisão de Givancir serem divulgadas, dezenas de moradores e até familiares das vítimas foram até a frente da delegacia do município. A saída do presidente dos rodoviários era aguardada com ansiedade. Assim que a polícia fez o cerco para evitar que Givancir fosse atacado pelos populares, as pessoas começaram a gritar pedindo justiça.

    Veja o vídeo

    Veja o momento que Givancir deixa a cadeia | Autor: Divulgação