Fonte: OpenWeather

    Ano Novo


    Veja vídeo: Amazonenses falam de sonhos e expectativas para 2018

    Eleitores, cientista e políticos falam sobre o cenário brasileiro e do Amazonas, sobre as próximas eleições e o destino do país

    Reportagem do EmTempo foi as ruas para saber qual o pensamento dos amazonenses para a política amazonense em 2018. | Autor: EM TEMPO

    Reportagem do EmTempo foi as ruas para saber qual o pensamento dos amazonenses para a política amazonense em 2018. | Autor: EM TEMPO

    O último domingo (31) foi o último dia do ano de 2017, que foi marcado por vários acontecimentos no cenário político. Escândalos, operações, prisões e reformas ocorreram no país e aqui no Amazonas, ainda contamos com uma eleição fora de época, após a cassação do ex-governador José Melo (Pros), que elegeu Amazonino Mendes (PDT) como o novo gestor do Estado. Em outubro de 2018, todo o país irá às urnas para eleger novos deputados estaduais e federais, governadores, senadores e o futuro presidente da República. Mas qual será a análise dos eleitores do Amazonas sobre a política brasileira?

    Para o industriário Oliveira Costa, de 40 anos, está difícil das coisas mudarem, alegando que, se nada for feito para mudar a lei e punir os erros dos políticos, jamais será possível pensar em mudanças. “Hoje em dia não temos em quem votar, os políticos que aparecem são os mesmos e quem tem sofrido mais somos nós da população, pagando produtos com o preço altíssimo e uma gasolina de quase R$ 4”, destacou o eleitor.

    Leia também: Fiéis vãos às ruas de Manaus para comemorar Dia Mundial da Paz

    Já a jornalista Márcia Monteiro, de 28 anos, acredita que é possível uma renovação no cenário político, desde que a eleição conte com novos nomes e personalidades. “Acredito que algo pode mudar sim, desde não sejam os mesmos nomes de sempre, e possamos ter a opção de escolher em meio a uma diversidade de pessoas novas, que não sejam envolvidas com escândalos e corrupção”, disse Monteiro.

    O músico e estudante de publicidade Sereno Silva, de 40 anos, está desacreditado dos políticos e diz que dificilmente ocorrerá alguma mudança. “Infelizmente a corrupção está impregnada em nossa cultura com a aquela famosa frase do ‘rouba, mas faz’, que ainda leva muita gente a votar em corruptos”, disse.

    População dividida

    Apesar de tanta desmotivação com a política, o cientista político Luiz Antônio Nascimento acredita que a população esteja dividida entre quem tem representatividade no poder público, e quem não tem.

    “Acho que a primeira pergunta que deve ser feita sobre este assunto é: ‘a quem interessa todo esae desencanto?’. Digo isso, pois as pessoas, que hoje sofrem, são as que não conseguiram emprego, tiveram redução de salário e sofreram com outras situações sociais ao longo do ano. Mas se você parar para pensa no setor ruralista, por exemplo, eles contam com 20% de representatividade na Câmara Federal, assim como os representantes de igreja, que contam com 12% dos políticos de lá”, revela o cientista que também é professor de sociologia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

    Ele também afirma que todo esse desanimo foi algo construído pelo mundo midiático, imposto pelos próprios políticos.

    Eleições 2018

    As eleições de 2018 também contam com um fato histórico, envolvendo o nome do Amazonas, pois este será o primeiro ano que o Estado conta com um nome presidenciável. Isso porque, desde outubro deste ano, o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB) vem se apresentando como um dos possíveis nomes para a disputa de 2018.

    Leia também: Mais de 40 mil pessoas comemoram a chegada de 2018 em Parintins

    Ele conta que está bastante esperançoso para a disputa eleitoral, mesmo contando com uma “guerra interna” imposta pelo seu próprio partido, que insiste em não colocar seu nome nas pesquisas dos presidenciáveis, e afirma, que, em breve, o PSDB contará com uma surpresa, pois ele estará ultrapassando o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

    “O partido vem, visivelmente, enrolando sobre esta questão. Um exemplo disso, é que já era para termos realizados alguns debates sobre o tema, o Alckmin aceitou discutir, só que ele não fez nenhum ainda. O que é preciso fazer eles reconhecerem, é que o mundo não gira em torno de São Paulo, e reconhecerem que aqui é uma região expressiva, que não tem guerra e nem conflitos”, ponderou o prefeito.

    Amazonas

    Para disputa de governador do Amazonas, ainda não tem nada definido, mas especula-se uma provável vinda do governador Amazonino Mendes (PDT) para reeleição, assim como a vinda de David Almeida (PSD), Rebecca Garcia (PP) e ainda se comenta nos bastidores que o senador Omar Aziz (PSD) também seja outro nome da disputa.


    Leia mais:

    Suspeito tenta cortar a cabeça de homem morto a tiro no Santa Etelvina 

    Mais de 40 mil pessoas comemoram a chegada de 2018 em Parintins 

    Manauenses aproveitam a Ponta Negra no primeiro dia de 2018