Fonte: OpenWeather

    Política


    Pastor Everaldo vota no Rio e evita tomar posição sobre segundo turno

    Everaldo, que tinha 1% das intenções de voto segundo pesquisa Datafolha - foto: divulgação.
    Everaldo, que tinha 1% das intenções de voto segundo pesquisa Datafolha - foto: divulgação.

    O candidato à Presidência da República Pastor Everaldo (PSC), membro da Assembleia de Deus, maior igreja evangélica do país, votou por volta das 11h da manhã deste domingo (5) na Escola Municipal Grécia, na Vila da Penha, zona norte do Rio.

    O pastor declarou ter votado em Luiz Fernando Pezão (PMDB) para governador do Rio e em seu filho Filipe Pereira (PSC) para deputado federal. Ele não quis não declarar seus outros votos.

    Everaldo, que tinha 1% das intenções de voto segundo pesquisa Datafolha publicada neste sábado (4), não quis tomar posição sobre quem apoiaria no segundo turno da eleição presidencial.

    Tampouco quis arriscar um palpite sobre o comportamento eleitoral da comunidade evangélica num eventual segundo turno sem a candidata Marina Silva (PSB), que pertence à sua igreja.

    Conhecido por suas posições liberais no âmbito econômico -tem como bandeira a privatização da Petrobras- e conservadoras no âmbito social -a "defesa da família", o que inclui a condenação do casamento gay e do aborto-, o pastor chegou ao local da votação com seus filhos e netos, e tirou "selfies" com eleitores.

    "Eu sou fruto da escola pública. Tenho um compromisso com a educação neste país, assim como com a saúde e a segurança pública e com o Estado mínimo necessário", disse ele, após votar.

    A maior parte dos eleitores do candidato do PSC cursou apenas o fundamental, tem idade entre 25 e 34 anos e renda familiar que não ultrapassa os cinco salários mínimos.

    Sua base eleitoral é, em sua maioria, formada por evangélicos -tem 3% dos votos dos pentecostais, e 2% dos não pentecostais.

    Dilma Rousseff (PT) tem 44% das intenções de voto válido (conta que desconsidera brancos e nulos), Aécio Neves (PSDB) chega com 26% e Marina Silva, 24%.

    Por Folhapress