Fonte: OpenWeather

    Política


    CCJ do Senado aprova reajuste em salários da Justiça

    Em uma derrota do governo, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou nesta quarta-feira (20) projeto que aumenta os salários dos servidores do Poder Judiciário. Com a pressão de servidores, que vêm procurando individualmente diversos senadores, a comissão aprovou pedido para que o projeto siga diretamente para o plenário do Senado -e não para outras comissões da Casa, como desejava o Palácio do Planalto.

    No esforço de reduzir gastos e aprovar o ajuste fiscal, o governo é contra a proposta porque argumenta que o reajuste vai trazer impactos de R$ 25,7 bilhões aos cofres públicos nos próximos quatro anos. A ideia do Planalto era remeter o texto para a CAE (Comissão de Assuntos Econômicos), que tem como presidente o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS). Na comissão, não haveria prazo para análise do projeto.

    Nas últimas duas semanas, Delcídio conseguiu adiar a votação do projeto na CCJ. A estratégia não se repetiu nesta quarta, quando a maioria dos membros da comissão apoiou o pedido dos servidores do Judiciário. Os senadores governistas afirmaram que, no plenário, o projeto será discutido em detalhes -com a possibilidade de mudanças no texto.

    "Busquei o diálogo com o governo e com o Judiciário para que a proposta, já tão debatida, fosse apreciada na CCJ para remetê-la diretamente ao plenário", disse o senador Walter Pinheiro (PT-BA).

    Os servidores vêm pressionando os congressistas para a aprovação do reajuste. Eles argumentam que, nos últimos anos, não tiveram aumentos salariais, ao contrário do que ocorreu com servidores do Executivo e Legislativo. Também afirmam que os salários são defasados em relação aos demais Poderes, entre carreiras que exercem a s mesmas funções.

    O reajuste vai variar de 53% a 78,56%, de acordo com a classe e do padrão do servidor. O aumento nos salários será escalonado, de 2015 até 2017, quando os servidores terão os vencimentos dobrados em relação aos atuais. Em média, portanto, corresponde a 59,49%. O pagamento vai ocorrer em seis parcelas sucessivas nesse período.

    "A remuneração desses servidores encontra-se defasada em relação a carreiras equivalentes dos Poderes Executivo e Legislativo, fato que tem ocasionado o aumento da rotatividade de servidores, com significativo prejuízo à prestação jurisdicional", disse o relator do projeto, senador José Maranhão (PMDB-PB).

    O impacto de R$ 25,7 bilhões consta de parecer elaborado pelo Ministério do Planejamento, em que a pasta recomenda a rejeição do projeto. O STF enviou um estudo ao Poder Executivo para rebater o Planejamento. O documento afirma, por exemplo, que parte das informações divulgadas pela pasta "não corresponde à realidade" e outras são "imprecisas".

    O STF classifica como "equivocadas" algumas das premissas nos cálculos feitos pelo Planejamento e alerta que a remuneração dos seus servidores não foi reajustada entre 2009 e 2012.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores