Fonte: OpenWeather

    Política


    CPI da Petrobras: ameaçado de prisão, empresário é autorizado a ficar calado

    Ameaçado de prisão e de ter que ser levado à força para depor, o empresário Júlio Faerman conseguiu autorização do STF (Supremo Tribunal Federal) para permanecer calado. Ficou desobrigado a ter que dizer a verdade durante sua participação na CPI da Petrobras da Câmara, que investiga o esquema de corrupção na estatal.

    A decisão é da ministra do STF Rosa Weber. O depoimento do empresário está marcado para esta terça-feira (9). Faerman é acusado de intermediar o pagamento de propinas da empresa holandesa SBM Offshore a funcionários da Petrobras.

    "Embora repute de todo o improvável o não resguardo espontâneo, pela CPI da Petrobras, dos notórios direitos ao silêncio e à assistência de advogado, o deferimento da liminar (decisão provisória), nos moldes pretendidos, serve a rigor como lembrança às autoridades parlamentares acerca desses direitos", afirmou a ministra em seu despacho.

    O empresário foi um dos primeiros convocados pela CPI da Petrobras, em março, mas a comissão não conseguiu encontrá-lo para que comparecesse para prestar depoimento.

    No mês passado, o presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB), informou que chegou a pedir à Polícia Federal que prendesse Faerman temporariamente para ser conduzido à CPI. Após o ofício de seus advogados, deputados informaram que ele não deveria ser preso, mas sim conduzido coercitivamente à comissão.

    Faerman foi apontado pelo ex-gerente de Engenharia Pedro Barusco, delator da Operação Lava Jato, como o responsável pelos pagamentos de propina por parte da SBM à Petrobras desde 1998.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    2. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    3. Temer exonera oito ministros

    4. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    5. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB