Fonte: OpenWeather

    Política


    Brasil enfrenta 'dificuldade momentânea', afirma Dilma

    Em entrevista ao "Programa do Jô", a presidente Dilma Rousseff defendeu o ajuste fiscal e reforçou o discurso de que o cenário de dificuldade econômica no país é "momentâneo".

    Na conversa, Dilma prometeu fazer "o possível e o impossível" para o país "voltar a ter uma inflação bem estável, dentro da meta" e avaliou que a situação econômica do país deve melhorar no final deste ano. "O Brasil tem uma estrutura forte. Nós estamos enfrentando uma dificuldade momentânea. Vamos superar essa dificuldade", disse.

    A entrevista foi gravada na tarde de sexta-feira no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, e foi ao ar na madrugada deste sábado (13). Ao longo dos três blocos do programa, Dilma comentou temas como saúde, educação, crise na Petrobras e, principalmente, a economia do país.

    "O Brasil não passa por uma situação em que ele é estruturalmente doente. Pelo contrário, ele está momentaneamente com problemas e dificuldades. Por isso que é importante fazer logo o ajuste pra gente sair o mais rápido possível dessa situação", disse na entrevista.

    Ela reconheceu que o aumento do preço dos alimentos "é uma das coisas que mais me preocupam". "Sei que é passageiro, mas sei também que mesmo sendo passageiro, afeta o dia a dia das pessoas."

    Questionada sobre a taxação de grandes fortunas, a presidente respondeu: "É uma ideia que deve ser avaliada, como todas as boas ideias".

    Investimentos

    Dilma destacou que, ao mesmo tempo em que é feito o ajuste fiscal, o governo vem mantendo investimentos e citou como exemplo o lançamento recente de pacote de concessões em obras de infraestrutura.

    Ela mencionou que, em agosto, será lançado uma nova etapa do programa Minha Casa Minha Vida, com mais 3 milhões de moradias disponíveis e fez elogios ao legado deixado pela Copa do Mundo no Brasil. "Nós até podemos ter perdido de 7 a 1 dentro do campo, mas ganhamos fora do campo."

    Petrobras

    Questionada sobre o que a motivou a trocar a diretoria da Petrobras em 2012, Dilma justificou que tomou decisão porque "não eram pessoas da minha confiança". Entre os que deixaram a empresa, estava Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da estatal.

    "A Petrobras não é um barquinho que você vira rapidamente. Passou um ano e eu troquei a diretoria toda e coloquei uma diretoria da minha confiança. Foi isso o que eu fiz." Ela voltou a afirmar que a empresa "virou a página" e "está no caminho certo".

    "Pode ter certeza: [a Petrobras] será uma das empresas mais lucrativas do mundo nessa área."

    Política

    Na conversa, Dilma fez afagos ao vice-presidente Michel Temer, articulador político do Planalto, e minimizou protestos contra sua gestão.

    "Eu acho o Temer um grande parlamentar, com muita experiência. É extremamente hábil", disse sobre o peemedebista.

    Sobre manifestações contrárias ao seu governo, disse que "diante de radicais, o melhor remédio é a democracia". "O Brasil não pode achar estranho as manifestações. Elas têm de ser vistas como algo normal. Sempre defenderei o direito e liberdade de expressão de quem quer que seja."

    Mais tarde, ela ponderou, no entanto, que a sociedade brasileira muitas vezes é excessivamente crítica. "No Brasil tem uma coisa que não vejo em outros países: eu acho que nós somos mais críticos conosco do que nós merecemos".

    Esta foi a segunda entrevista de Dilma a Jô Soares. Em 2008, ela participou do "Programa do Jô" ainda na condição de ministra da Casa Civil. A gravação durou cerca de 70 minutos.

    "Ninguém é de ferro"

    O apresentador questionou a presidente se, diante das críticas recorrentes na imprensa, ela ainda lê jornal.

    "Eu leio. Presidente tem de conviver com isso, todo dia. Tem hora...eles exageram um pouco, pegam pesado. É da atividade pública. () Eu não levo no pessoal. Agora, se quer saber se fico triste? Fico sim. Algumas horas, bastante triste. Porque é aquele negócio: ninguém é de ferro", resumiu Dilma.

    Em seguida, ponderou ter "imensa capacidade de resistir". "Aprendi ao longo da vida. Me prenderam, me botaram na cadeia, aprendi a resistir. Tem que ter tranquilidade para aguentar sabendo que uma hora, passa".

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    2. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    3. Temer exonera oito ministros

    4. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    5. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB