Fonte: OpenWeather

    Política


    Oposição pede ao TCU que condene contas de Dilma por 'pedaladas' fiscais

    Deputados e senadores da oposição vão se reunir nesta terça (16) com o presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Haroldo Cedraz, para pedir que o órgão faça um julgamento "técnico" das contas do governo Dilma Rousseff de 2014. Os oposicionistas afirmam que ministros do governo Dilma estão pressionando o tribunal para aprovar as contas sem ressalvas, o que pode influenciar no resultado do julgamento.

    Presidente do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) disse ser "inaceitável" que ministros e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, tenham se reunido com ministros do TCU para "tentar influenciar a decisão dos membros do tribunal".

    "Nós, os líderes da oposição, iremos fazer uma visita de cortesia ao presidente daquela Corte para reiterar a nossa confiança em que a decisão seja a decisão técnica, sabedores de que esse tipo de pressão, de chantagem que se estabeleceu nos últimos dias, não terá ali qualquer influência", disse Aécio.

    A oposição espera que o TCU condene as contas do governo Dilma pelas chamadas "pedaladas fiscais" feitas pelo Tesouro com dinheiro de bancos públicos para reduzir artificialmente o deficit do governo em 2013 e 2014. Em abril, o TCU aprovou de forma unânime relatório que considera a manobra fiscal crime de responsabilidade.

    "Temos enorme respeito pelo TCU, que é composto por homens e mulher altamente preparados, e temos absoluta convicção de que a decisão do Tribunal de Contas será técnica. E, se a decisão for técnica, obviamente, por todas as informações já divulgadas, deverá ser pela rejeição das contas", afirmou Aécio.

    O TCU marcou para esta quarta (17) a análise das contas do governo Dilma de 2014. Cabe ao tribunal recomendar a aprovação, rejeição ou a aprovação com ressalvas dos gastos do governo federal entre 2013 e 2014.

    Nas últimas semanas, o ministro Joaquim Levy (Fazenda) e o advogado Luís Inácio Adams se reuniram com ministros do TCU para discutir o julgamento das contas.

    Fator previdenciário

    Aécio também cobrou que a presidente Dilma Rousseff, ao definir se vai vetar ou sancionar o projeto que acaba com o chamado "fator previdenciário", apresente "medidas razoáveis" para os aposentados. Mas não fez uma defesa da fórmula 85/95, aprovada na Câmara para substituir o fator.

    "A proposta que vem da Câmara é uma alternativa ao fim do fator previdenciário. Vamos ver se o governo apresenta uma outra alternativa. Portanto, estamos absolutamente tranquilos para poder votar alternativas, que obviamente preservem o equilíbrio da Previdência, mas possam trazer algum alívio aos aposentados brasileiros", afirmou Aécio.

    Criado na gestão Fernando Henrique Cardoso, o fato tem como objetivo retardar aposentadorias. É calculado conforme a idade do trabalhador, o tempo de contribuição e a expectativa de sobrevida.

    O Congresso aprovou a fórmula 85/95, que pode ser vetada por Dilma. O modelo faz um escalonamento de acordo com a expectativa de sobrevida da população.

    O tucano disse que o Legislativo tem que "aguardar a decisão da presidente" antes de se posicionar sobre o tema. "É preciso que agora aguardemos a decisão do governo, qualquer que seja ela, para ver se o veto vem acompanhado de uma medida minimamente razoável. O Congresso tomou a sua decisão e a bola está agora com a presidente da República."

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    2. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    3. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    4. Temer exonera oito ministros

    5. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base