Fonte: OpenWeather

    Política


    PMDB fecha acordo para aprovar parecer da desoneração apresentado por Picciani

    A bancada do PMDB na Câmara fechou, nesta quinta (18), acordo para aprovar o parecer do relator deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ) ao projeto de lei do Executivo que modifica as regras de desoneração da folha de pagamento.  

    A proposta aumenta as alíquotas incidentes sobre a receita bruta das empresas de 56 setores da economia que haviam sido beneficiados com a desoneração.

    O ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, que participou da reunião, disse que a bancada vai votar favoravelmente ao parecer apresentado pelo relator e líder, deputado Leonardo Picciani (RJ).

    “O PMDB acaba de encerrar sua reunião com acordo celebrado de votar o relatório do Picciani. Haverá destaques, no plenário, propondo que se faça, sem alterar o montante total, algum tipo de exceção para outros setores”, informou o ministro.

    O relator propôs alíquotas menores para os setores de call center, transportes, alimentos e comunicações.

    Percentual de isenção

    De acordo com o ministro, caso se conceda algum tipo de desoneração para outros setores que não sejam esses, teria que se baixar o percentual de isenção que será dado a esses quatro setores que o relator propôs as desonerações para equilibrar o montante dos recursos a serem arrecadados.

    Segundo o ministro, se houver algum destaque incluindo outro setor na desoneração, ele poderia, em tese, desequilibrar os números acertados pelo governo com o relator para o ajuste fiscal. Por isso, disse Padilha, o líder Picciani e o governo vão trabalhar para aprovar o parecer sem alterações.

    Ainda de acordo com Padilha, todos os setores podem entrar na desoneração contando que fiquem preservados os valores que o governo pretende arrecadar com esse projeto.

    “Os quatro setores vão ter, no mínimo, a metade do que era antes. É uma desoneração parcial que vai vigorar. Nenhum setor fica fora. Nenhum setor vai ser excluído”, finalizou.

    Por Agência Brasil (ABr)

    Mais lidas

    1. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    2. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    3. Temer exonera oito ministros

    4. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    5. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB