Fonte: OpenWeather

    Política


    PEC da redução da maioridade não fixa regra para criar novas prisões

    A proposta que reduz a maioridade penal no Brasil determina o encarceramento de jovens de 16 e 17 anos em novos estabelecimentos prisionais, o que tem suscitado incerteza sobre como isso se dará, se realmente será efetivado e se haverá consequência a eventual descumprimento.

    Aprovada na quarta-feira (17) em uma comissão da Câmara dos Deputados, a emenda à Constituição diminui a maioridade penal de 18 para 16 anos para o caso de crimes graves, como os hediondos e o tráfico de drogas.

    O texto determina que jovens de 16 e 17 anos cumpram pena em estabelecimentos separados dos adultos e também dos adolescentes menores de 16 anos, cabendo à União e aos Estados criar esses estabelecimentos. A proposta não estabelece prazo ou regras de transição.

    Segundo o Ipea (instituto de pesquisa vinculado à Presidência da República), pelo menos 9.061 jovens de 16 e 17 anos (36% dos internados) estariam enquadrados nos crimes com redução da maioridade -dados de 2013.

    "Não existem esses estabelecimentos. O Estado administrador não dando essa infraestrutura pode levar a Justiça a ter que colocar em liberdade [os jovens] porque não há onde cumprir a pena devidamente. Aí então quem fica mal na foto é a Justiça", comentou o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli.

    Para ele, a redução não resolve o problema da criminalidade. O ministro Gilmar Mendes afirmou que "não tem pensamento seguro" sobre o assunto, mas defendeu a discussão da ampliação do tempo de internação para jovens infratores.

    O governo, que é contrário à redução da maioridade, tem afirmado que o assunto poderá ser levado ao Supremo.

    O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que a redução da maioridade em crimes violentos cria "efeitos reflexos" no Código Penal que podem, inclusive, "abrandar crimes" como estupro e tráfico de pessoas. Isso porque, para ele, o texto não muda apenas a responsabilidade penal, mas também "o parâmetro de proteção ao menor".

    "Ao mudar o conceito de criança e adolescente, todos os crimes que têm as penas agravadas para proteger menores de 18 anos, como estupro e tráfico de pessoas, vão ter as penas abrandadas", disse Cardozo à reportagem.

    Mesmo deputados da bancada da bala manifestaram insegurança sobre o encarceramento. Alberto Fraga (DEM-DF) afirmou que eles cumprirão pena nos atuais estabelecimentos ou podem ser criadas alas exclusivas nos centros de internação.

    Contrários à redução também argumentam que o projeto abre a possibilidade de jovens de 16 anos obterem habilitação para dirigir e poderem comprar bebidas alcoólicas. No caso da direção, a lei diz que os candidatos a dirigir são os "penalmente imputáveis". No caso da bebida, a vedação da venda é para "crianças e adolescentes".

    O projeto da Câmara mantém os menores de 18 anos "inimputáveis", ressalvados os maiores de 16 que cometam crimes graves.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores