Fonte: OpenWeather

    Política


    Lei Orçamentária 2016 é aprovada sem alterações na CMM e vai à sanção

    A Lei Orçamentária de 2016 foi aprovada sem alterações ao texto original, pela Câmara Municipal de Manaus (CMM), nesta terça-feira (23), com votos contrários dos vereadores petistas Waldemir José, Professor Bibiano, Rosi Matos, além de Marcel Alexandre (PMDB).  Agora o texto segue para a sanção do prefeito Arthur Neto (PSDB).

    Ao Projeto de Lei nº 082/2015 foram apresentadas 130 emendas pelos vereadores, sendo analisadas pelas 2ª Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), e na 3ª Comissão de Economia, Finanças e Orçamento (CFEO). A Comissão de Constituição, em reunião realizada no dia 10 de junho, aprovou 70 emendas (53,85%) e rejeitou outras 60 (46,15%).

    Antes de votação no plenário, o relatório da 3ª Comissão, com o parecer contrário a todas as 65 emendas, de autoria do vereador Walfran Torres (PTC), foi aprovado na reunião na Sala das Comissões, presidida pelo vereador Luís Mitoso (PSD), com a presença do líder do prefeito na CMM, Elias Emanuel, do relator do PL, Walfran Torres, da Professora Jaqueline, Professor Samuel, Waldemir José (PT), Professor Bibiano (PT) e Roberto Sabino (Pros).

    A Comissão de Economia, como explicou Walfran Torres (PTC), analisou 65 emendas ao PL, tendo em vista a retirada de cinco emendas apresentadas pelo autor, o vereador Elias Emanuel (063, 064, 065,066 e 067).

    Dessas, de acordo com o relator, 17 foram rejeitadas por serem redundantes, ou seja, por estarem contempladas, afrontarem a discricionalidade ou a autonomia do prefeito (Bloco A) e 48 por afrontarem princípios constitucionais orçamentários, como o equilíbrio orçamentário, flexibilidade orçamentária, exclusividade ou pureza, e a clareza orçamentária (Bloco B).

    Apesar da defesa das emendas apresentadas pela oposição, entre elas, as dos vereadores Waldemir José e Professor Bibiano, todas foram derrubadas na Comissão de Economia e confirmadas na votação plenária pela maioria dos vereadores, com votos contrários dos vereadores Waldemir José, Professor Bibiano, Rosi Matos, todos da bancada petista, e do vereador Marcel Alexandre (PMDB), que votou com a minoria.

    “Propostas genéricas”

    De acordo com o vereador Elias Emanuel, as propostas apresentadas pela oposição eram “genéricas demais”, como citou o caso das emendas do vereador Professor Bibiano.

    “Solicitavam ações prioritárias nas áreas mais precárias da cidade, e a Prefeitura já atende essas áreas, como os alagados, vítimas das enchentes. Queria melhoria educacional, mas o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) da Semed (Secretaria Municipal de Educação) está melhorando e nós estamos construindo creches. Pede também prioridade na Mobilidade Urbana e a Prefeitura já trabalha o Plano e criou a faixa azul. Pede melhoria na saúde, mas este ano tivemos 60% a menos do caso de dengue na cidade de Manaus. Onde as emendas não estão sendo contemplados”, explicou o vereador.

    Ao falar das emendas do vereador Waldemir José, Elias Emanuel as considerou “redundantes”. “É papel da oposição, encontrar defeitos e quando faz crítica, nos orienta no curso das ações. Mas dizer que não há prioridade de ações da Prefeitura é faltar com a verdade”, disse o líder.

    De acordo com Elias, uma das emendas de Waldemir José proibia qualquer tipo de convênio da Prefeitura com Organizações Não Governamentais (ONGs) e fundações de vereadores na presidência.

    “A Loman [Lei Orgânica de Manaus] veda qualquer relação financeira de negócio entre o vereador e a Prefeitura. Se for constatado, o vereador está passível de perda de mandato”, explicou. Para ele, “é redundante, pois a LDO é uma lei temporária vale para um ano, enquanto que a Loman é permanente, até ser revista”, disse.

    “Sem importância”

    Em resposta, Professor Bibano lamentou a não aprovação de suas emendas e de colegas de oposição ao prefeito Arthur Neto. “É muito triste ver um parlamento que deveria ser a voz do povo rejeitando propostas que trariam melhorias para a nossa população”, desabafou.

    Uma das emendas de autoria do petista, por exemplo, pedia que o Executivo municipal priorizasse ações de atuação nas “áreas mais críticas da cidade”, buscando melhorias na mobilidade urbana, na recuperação do patrimônio público, na sustentabilidade econômica e no desenvolvimento ambiental, contemplando recursos prioritários para a implementação de políticas públicas nas áreas educacional, habitacional, de saúde, de abastecimento de água e saneamento, e de projetos de inclusão de crianças, idosos e pessoas com deficiência.

    Já Waldemir José (PT) manifestou ser contrário à metodologia usada pela CMM para avaliar a LDO e classificou a mesma como uma “perda para a Câmara, na medida em que se diminui a importância da casa quando não se aprova sequer uma emenda, passando a mensagem à população de que não precisa existir”, lamentou.

    Das nove emendas apresentadas pelo vereador petista, ele destacou a emenda de n. 98/15 que garantiria que o Poder Executivo promovesse a prática do orçamento participativo na elaboração do Projeto de Lei Orçamentária de 2016, realizando em todas as zonas da área urbana e rural assembleias populares para recolher emendas que teriam caráter impositivo ao orçamento.

    Por equipe EM TEMPO Online

    Mais lidas

    1. Temer exonera oito ministros

    2. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    3. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    4. Amazonino Mendes empossa novos gestores

    5. Propostas de David Almeida serão retiradas de pauta da Aleam