Fonte: OpenWeather

    Política


    Ministro Gilmar Mendes diz que momento não favorece criação de impostos

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes criticou nesta segunda-feira (14) a possibilidade de criação de impostos pelo governo federal, dizendo que não há como impor mais sacrifícios à sociedade diante dos casos de corrupção investigados pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

    “Você não pode pedir sacrifícios quando as pessoas acham que houve gastos excessivos, demasiados e sem controle. Quando as pessoas acham que tem uma prática de corrupção, então, há uma crise de legitimidade”, afirmou o ministro.

    Na opinião de Gilmar Mendes, o país está vivendo "um momento extremamente delicado” e é necessário separar o sistema de governança da nação das ações de interesse político. Para o ministro, ao longo do tempo, criou-se no Brasil uma cultura de um modo de política corrupta.

    Ele defendeu maior transparência no processo de doações para as campanhas políticas e disse que cabe a instituições como a Polícia Federa, o Ministério Público, a Justiça Eleitoral e a todo o Poder Judiciário acompanhar os procedimentos em torno de tais movimentações financeiras para evitar atos de corrupção.

    Segundo Gilmar Mendes, a maioria dos ministros do STF é favorável à abertura de processo para análise dos recursos financeiros da campanha eleitoral da presidenta Dilma Rousseff em 2014. Ele deu as informações em entrevista à imprensa, logo após falar no seminário Saídas para a Crise. O evento, que termina amanhã (15), é promovido em conjunto pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção São Paulo, pela Assembleia Legislativa de São Paulo, pelo Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP) e pela TV Cultura.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    2. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    3. Temer exonera oito ministros

    4. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    5. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB