Fonte: OpenWeather

    Política


    A pedido de Dilma, Lula vai a Brasília para fechar reforma ministerial

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarca na manhã desta quinta-feira (1º) para Brasília a pedido da presidente Dilma Rousseff com a missão de debelar a crise provocada pela reforma ministerial.

    A mais recente queda-de-braço é entre os senadores Eunício Oliveira (PMDB-CE), líder do PMDB na Casa, e o pedetista André Figueiredo.

    O peemedebista se recusa a aceitar a nomeação de Figueiredo para o Ministério das Comunicações, que ficará com o PDT. Como ambos são do Ceará, Eunício diz que sofrerá retaliação.

    Dilma havia prometido cortar dez pastas em sua reforma ministerial. Pelo último desenho, seriam eliminadas nove.

    A relação do Planalto com o PMDB, que há meses está conturbada, começou a se redesenhar nesta quarta (30), quando Dilma cedeu a pressões do partido e de Lula e afastou do coração de seu governo o petista Aloizio Mercadante, substituindo-o na chefia da Casa Civil por Jaques Wagner, hoje na Defesa.

    A troca e a ampliação do naco do PMDB de seis para sete pastas devem garantir, na avaliação de assessores, o apoio de no mínimo 50 dos 66 deputados do partido para evitar abertura de um processo de impeachment contra a presidente.

    Ela precisa de ao menos 172 deputados para barrar um pedido de impedimento, que, para passar, carece de 342 votos dos 513 da Câmara.

    Mercadante, que volta à Educação, era citado por petistas e peemedebistas como desagregador. Lula defendia sua substituição desde o início do segundo mandato, mas reclamava de não ser ouvido.

    Mais poder

    Com a mudança, o ex-presidente conseguiu convencer Dilma a aumentar o poder do PMDB e, assim, tentar ao menos postergar um eventual desembarque do governo -em novembro, o partido fará um congresso para discutir a saída.

    Dilma já definiu o nome de cinco ministros peemedebistas: Eduardo Braga (Minas e Energia), Kátia Abreu (Agricultura), Eliseu Padilha (Aviação Civil), Helder Barbalho (Portos) e Henrique Eduardo Alves (Turismo).

    Ela está fechando os nomes dos indicados pela bancada da Câmara para a Saúde, hoje com o PT, e a Ciência e Tecnologia, da qual sairá Aldo Rebelo (PC do B) para substituir Wagner na Defesa.
    Na Saúde, o mais cotado é o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI). Para Ciência e Tecnologia, Celso Pansera (PMDB-RJ). Ambos sugeridos pelo líder do partido na Câmara, Leonardo Picciani (RJ).

    Dilma continua sendo pressionada por aliados de Lula a trocar José Eduardo Cardozo (Justiça). Lula queria trocá-lo pelo ex-ministro Nelson Jobim, peemedebista e advogado que tem atuado na defesa de empreiteiros na Lava Jato.

    No campo petista, Dilma vai fundir os ministérios da Previdência, Trabalho e Desenvolvimento. Fará o mesmo com as três secretarias que têm status de ministérios: Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos formarão o Ministério da Cidadania.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores