Fonte: OpenWeather

    Política


    Doação empresarial será negociada após aprovação de vetos, diz ministro

    Em um aceno à Câmara dos Deputados, o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, afirmou que haverá espaço para negociação no Congresso Nacional da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que permite o financiamento empresarial de campanha eleitoral, mas apenas depois que os vetos presidenciais forem votados.

    Na semana passada, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), havia condicionado a realização da sessão para análise dos vetos presidenciais à inclusão do tema financiamento na pauta do Senado Federal.

    Nesta quarta-feira (7), em uma articulação do peemedebista com a oposição ao governo federal, a sessão voltou a ser adiada por falta de quórum.

    "Votando os vetos, acho que abre todo um horizonte para negociação, inclusive disso [financiamento de campanha]", afirmou o ministro. "Vota os vetos e depois o jogo continua", acrescentou.

    Se forem derrubadas pelo Congresso Nacional, as medidas podem ter um impacto de R$ 63,2 bilhões para os cofres públicos até 2019.

    Na semana passada, o vice-presidente Michel Temer defendeu a aprovação da PEC. Segundo ele, ela resolveria "a questão da insegurança jurídica" e evitaria que o veto da presidente Dilma Rousseff em relação às doações de empresas a campanhas e candidatos fosse derrubado.

    No mês passado, o STF (Supremo Tribunal Federal) considerou que doações empresariais a partidos e candidatos.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores