Fonte: OpenWeather

    Política


    PSOL vai entrar com pedido de cassação de Cunha na terça

    Os deputados do PSOL vão apresentar na próxima terça-feira (13) o pedido de cassação do mandato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no Conselho de Ética da Casa.

    Esse será o primeiro movimento formal contra o mandato do peemedebista desde que vieram à tona informações de contas secretas na Suíça em seu nome e de seus familiares.

    A peça será composta por informações de documentos enviados pela PGR (Procuradoria-Geral da República) ao PSOL, em resposta a questionamentos feitos pela sigla sobre as contas.

    Conforme informou a Folha de S.Paulo, nesta quinta (8), o banco Julius Baer informou às autoridades suíças que Cunha e seus familiares figuram como beneficiários finais de contas secretas onde estão depositados US$ 2,4 milhões (R$ 9,3 milhões), dinheiro que está bloqueado.

    Cunha negou, em depoimento à CPI da Petrobras, em março, que tivesse contas fora do país. A resposta da PGR, contudo, confirma a existência das contas, embora não trate de valores, nem de titularidades.

    Corregedoria

    Nesta quarta (7), 30 deputados federais de sete partidos políticos protocolaram na Corregedoria da Câmara representação pedindo a abertura de processo de cassação de Cunha.

    Além da identificação pelo Ministério Público da Suíça de contas secretas naquele país, Cunha foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República sob acusação de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.

    O próprio grupo de deputados -que representa apenas 5,7% do total de cadeiras da Casa- reconhece que acionar a Corregedoria é apenas um passo inicial, com efeito possivelmente mais simbólico do que prático.

    Isso porque cabe à Corregedoria encaminhar a representação para que a Mesa da Câmara decida o que fazer. A Mesa é presidida por Cunha e composta por seus aliados.

    Assinam a representação na Corregedoria os deputados Arnaldo Jordy (PPS-PA), Chico Alencar (PSOL-RJ), Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), Glauber Braga (PSOL-RJ), Ivan Valente (PSOL-SP), Jean Wyllys (PSOL-RJ), Alessandro Molon (Rede-RJ), Eliziane Gama (Rede-MA), Leônidas Cristino (Pros-CE), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Júlio Delgado (PSB-MG), Henrique Fontana (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ), Érika Kokay (PT-DF), Padre João (PT-MG), Assis do Couto (PT-PR), Moema Gramacho (PT-BA), Luiz Couto (PT-PB), Margarida Salomão (PT-MG), Helde Salomão (PT-ES), João Daniel (PT-SE), Paulão (PT-AL), Adelmo Carneiro Leão (PT-MG), Raimundo Angelim (PT-AC), Maria do Rosário (PT-RS), Marcon (PT-RS) e Leonardo Monteiro (PT-MG), Chico D'Angelo (PT-RJ).
    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores