Fonte: OpenWeather

    Política


    Na CMM, taxistas reivindicam ajustes no PL que limita trabalho da categoria em 12h por dia

    Os taxistas não querem ter o tempo de trabalho limitado – foto: Luis Henrique Oliveira
    Os taxistas não querem ter o tempo de trabalho limitado – foto: Luis Henrique Oliveira

    Mais de 30 taxistas de várias associações e empresas de táxi da capital se mobilizaram na manhã desta terça-feira (3) na galeria da Câmara Municipal de Manaus (CMM) para reivindicar mudanças no texto do Projeto de Lei de número 353/2015, de autoria do executivo municipal, que limita o horário de trabalho do taxista em 12 horas.

    De acordo com o taxista Cristian Soares, que pertence a empresa de táxi Tucuxi, essa lei é anticonstitucional. “Querem nos limitar a trabalhar. Isso não pode, nós não concordamos" afirmou o profissional.

    Para o líder do prefeito, Elias Emanuel (PSDB), a lei que limita o horário de trabalho do taxista, pede ainda que as placas de táxis sejam mais limitadas e inclui uma proposta de proibição de táxi lotação pelos taxistas permissionários e motoristas auxiliares do serviço de táxi.

    "O PL que pede a limitação nos diversos serviços de táxi. Estamos inclusive analisando em regime de urgência, solicitado pelo prefeito, para a regularização do serviço de táxi individual, ou seja, além da limitação de horário, o PL pede que as placas sejam limitadas por taxistas".

    Atualmente, os taxistas e empresários da categoria, que possuem placas, alugam as mesmas a terceiros, que por sua vez vão trabalhar nas ruas da capital como taxistas, em alguns casos, sem permissão.

    Atualmente, na capital circulam mais de 1200 táxis, com permissão e regularizados pela associação dos taxistas.

    Questionados sobre a posição da associação dos taxistas (Sindtaxi), os manifestantes disseram que o Sindtaxi se encontra em uma situação delicada, pois há empresários sindicalizados, então é complicado se posicionar.

    Por Mairkon Castro