Fonte: OpenWeather

    Política


    Cardozo diz que há esvaziamento das manifestações de caminhoneiros

    O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quarta-feira (11) que o movimento de paralisações de caminhoneiros teve um “claro refluxo” e que há um “esvaziamento” no terceiro dia de mobilizações. “Nós continuaremos vigilantes. Onde houver interdições, a Polícia Rodoviária Federal vai desobstruir a estradas e aqueles que tentarem serão multados nos novos valores da medida provisória”.

    Medida provisória (MP) publicada hoje no Diário Oficial da União determinou o aumento das multas e as sanções para motoristas que obstruírem as estradas do país. A MP introduz um novo artigo no Código Nacional de Trânsito estabelecendo multa de R$ 5.746 para quem deliberadamente interromper, restringir ou perturbar a circulação de vias e de R$ 19.154 para quem organizar as manifestações. Em caso de reincidência, o valor cobrado será o dobro. Antes da MP, a multa para esse tipo de infração era R$ 1.915.

    Cardozo voltou a defender o endurecimento do governo contra o movimento ao ser perguntado sobre a disposição da bancada ruralista no Congresso Nacional de rejeitar a medida provisória. “É claro que é legítimo que os parlamentares se posicionem como acham que devem se posicionar em relação às medidas que o governo vem tomando. O governo irá demonstrar ao Congresso Nacional as razões evidentes que, a nosso ver, justificam essa medida. Um fechamento de estradas com tentativa de desabastecimento do país é absolutamente inaceitável”, disse.

    De acordo com o último boletim da Polícia Rodoviária Federal, há oito manifestações de caminhoneiros, dos quais três com interdição parcial da via, em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, no Paraná e no Rio Grande do Sul. Segundo o ministro da Justiça, já foram aplicadas multas com os novos valores, mas não soube informar quantas.

    Por Agencia Brasil

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores