Fonte: OpenWeather

    Política


    CMO fecha acordo e amplia em R$ 7,3 bilhões orçamento da Saúde em 2016

    O acordo foi costurado pelo relator setorial de Saúde, deputado João Arruda – foto: divulgação
    O acordo foi costurado pelo relator setorial de Saúde, deputado João Arruda – foto: divulgação

    Depois de uma intensa negociação na manhã desta terça-feira (1º), a Comissão Mista de Orçamento (CMO) fechou acordo para destinar mais R$ 7,3 bilhões para a área de saúde no Orçamento de 2016. No acordo, costurado pelo relator setorial de Saúde, deputado João Arruda (PMDB-PR), a previsão de recursos para o setor foi revista após a bancada do PMDB ter ameaçado não votar o projeto de lei orçamentária (PLN 05) para o próximo ano.

    Nas últimas semanas, Arruda redobrou esforços para tentar convencer os outros parlamentares do colegiado a ampliar as previsões de recursos para a saúde que, até então, somavam R$ 100,2 bilhões. Ao apresentar a projeção inicial prevista para 2016, o deputado alertou que a área sofreria diante da previsão “enxuta”, com o risco de paralisar, no segundo semestre do próximo ano, os atendimentos de média e alta complexidade, como internações ambulatorial e hospitalar, no Sistema Único de Saúde (SUS) e o Programa Farmácia Popular.

    “O mais importante foi garantir o dinheiro para manter a média e alta complexidade. Fizemos um movimento muito forte na bancada e conseguimos aumentar a receita [prevista] do dinheiro da repatriação e o relator-geral [Ricardo Barros] não vai aceitar a proposta de corte de mais R$ 3,8 bilhões sinalizado pelo governo”, explicou o relator.

    Outros R$ 3 bilhões já estavam assegurados quando a CMO adotou uma estratégia para minimizar os prejuízos para a área, aprovando alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que incluiu a Emenda Constitucional 86 no texto e aumentou a previsão inicial. A emenda torna impositiva a execução das emendas individuais dos parlamentares ao Orçamento da União em até 1,2% da receita corrente líquida do ano anterior, condicionando que metade do valor tem de ser destinado à área de saúde.

    “Ficou exatamente como estava esperando. Porque tem esses R$ 3 bilhões da LDO. Agora temos que ter o compromisso do governo que não vai vetar a alteração “, disse Arruda.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores