Fonte: OpenWeather

    Política


    Denúncias contra Dilma são 'gravíssimas', diz Cunha na decisão que deflagrou impeachment

    cunha
    Cunha afirma ter denúncias gravíssimas contra a presidente Dilma. foto: Agência Brasil

    Nas 22 páginas que embasa a sua decisão, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) afirma ter ciência de que seu ato pode resultar em "graves danos institucionais", mas diz que as acusações contra a presidente Dilma Rousseff são "gravíssimas" e que há indícios de sua participação em crime de responsabilidade na área fiscal.

    "O momento político atual é notoriamente grave. Nunca, na história da República, houve tantos pedidos de impeachment contra a presidente da República. A economia não vai bem e a desconfiança em relação ao país já atravessou as fronteiras. Sem contar o parecer do Tribunal de Contas da União que, a unanimidade, recomenda a rejeição das contas do governo", escreve o peemedebista em seu despacho.

    Cunha argumenta no documento que as acusações constantes na representação dos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal são "gravíssimas", mas que muitas delas são embasadas em ilações e suposições, especialmente as que apontam ligação de Dilma com o petrolão.

    "Não se pode permitir a abertura de um processo tão grave, como é o processo de impeachment, com base em mera suposição de que a presidente da República tenha sido conivente com atos de corrupção", prossegue.

    Cunha embasa a decisão de dar prosseguimento ao pedido devido a indícios de que Dilma praticou crime de responsabilidade na área fiscal.

    "Entendo que a denúncia oferecida atende aos requisitos mínimos necessários, eis que indicou ao menos seis decretos assinados pela denunciada [Dilma] no exercício financeiro de 2015 em desacordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias e, portanto, sem autorização do Congresso Nacional".

    Cunha registra artigo da lei que trata do impeachment (1.079/50), que lista como crime de responsabilidade "infringir, patentemente, e de qualquer modo, dispositivo da lei orçamentária" e "autorizar a abertura de crédito em desacordo com os limites estabelecidos pelo Senado Federal, sem fundamento na lei orçamentária ou na de crédito adicional".

    De acordo com o texto, mesmo a aprovação nesta quarta (2) da permissão de que o governo feche as contas de 2015 com um rombo de R$ 120 bilhões a livra de responsabilidade. A aprovação "não retira a tipicidade hipotética da conduta da denunciada nesse particular, já que os créditos orçamentários eram irregulares à época em que os seis decretos não numerados apontados pelos denunciantes foram por ela assinados".

    De acordo com o texto de Cunha, são igualmente relevantes a alegação de repetição neste ano das chamadas "pedaladas fiscais", manobras para fechar as contas públicas.

    "Não há dúvida de que o recebimento da denúncia pode acarretar graves danos institucionais, mas é igualmente certo também que as instituições brasileiras são sólidas e estão preparadas para esse julgamento", escreve Cunha.

    Ressaltando não haver nessa fase qualquer condenação prévia, o presidente da Câmara finaliza dizendo que Dilma terá direito a ampla defesa e a oportunidade de "esclarecer e afastar as questões postas pelos denunciantes".

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores