Fonte: OpenWeather

    Política


    Votação de comissão de impeachment foi ilegal, diz Berzoini

    Berzoini não quis comentar o placar da eleição que derrotou a chapa governista - foto: divulgação
    Berzoini não quis comentar o placar da eleição que derrotou a chapa governista - foto: divulgação

    O ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) criticou a eleição de chapa pró-impeachment na Câmara dos Deputados e afirmou que não houve "legalidade" no procedimento adotado na Casa. A posição vai de encontro à fala do vice-presidente Michel Temer, que apontou uma "normalidade democrática extraordinária" nos episódios de terça (8).

    "Eu não concordo com os procedimentos e disse isso aos líderes [da base aliada]. Não acredito que haja legalidade naquele processo, mas quem vai dizer ao fim e ao cabo é o Supremo Tribunal Federal", disse Berzoini na tarde desta quarta-feira (9), horas depois da declaração do vice.

    O petista, porém, minimizou a divergência de posições: "Isso é democrático e legítimo, não existe governo monolítico", afirmou. "Essa pluralidade é que fortalece o debate democrático e a capacidade de responder às questões nacionais".

    Berzoini não quis comentar o placar da eleição que derrotou a chapa governista ("Não temos qualquer razão para tratar de resultados isolados") e disse que "por enquanto", não houve mudança na estratégia do governo. "Estamos analisando os fatos e tratando com todo carinho e cuidado e, principalmente, com paciência e responsabilidade."

    O ministro ainda negou que a troca de liderança do PMDB na Câmara seja um sinal de rompimento com o governo. "Não vemos nenhum motivo para que essa turbulência possa significar algo mais duro e mais pesado em relação à relação do PMDB com o governo."

    Rompimento x Agregação

    O titular da Secretaria de Governo não quis comentar o teor da carta de Michel Temer à presidente Dilma, e argumentou que "eventuais divergências são da natureza humana". "Não existe razão pra gente apostar em rompimentos, vamos apostar em agregação, em trabalhar pelo país".

    Berzoini afirmou que o governo espera que o STF, que interrompeu o processo de impeachment, "acompanhe com bastante atenção o processo", de forma a "assegurar um rito que respeite a Lei e a Constituição". Para ele, o ministro Luiz Edson Fachin tomou "uma atitude de cautela".

    Ele negou que a decisão do ministro prejudique o andamento do processo -no início da semana, a presidente Dilma defendeu agilidade na discussão. "Não vamos jamais acreditar que haja uma pressa tão grande a ponto de não se observar as regras fundamentais."

    O ministro ponderou que o Executivo pode tomar a iniciativa de convocar o Congresso Nacional, mas disse que isso "ainda não está decidido".

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores