Fonte: OpenWeather

    Política


    Marcelo Odebrecht formaliza afastamento da presidência da Odebrecht S.A

    No fim de outubro, em sua primeira tentativa de defender-se em público desde que foi preso, Odebrecht atacou os procuradores da Operação Lava Jato- foto: divulgação
    No fim de outubro, em sua primeira tentativa de defender-se em público desde que foi preso, Odebrecht atacou os procuradores da Operação Lava Jato- foto: divulgação

    Preso na Operação Lava Jato em junho e réu por corrupção e lavagem de dinheiro, o empresário Marcelo Odebrecht formalizou na quarta-feira (9) o afastamento da presidência da Odebrecht S.A., holding de sua família que controla várias companhias.

    O executivo também se afastou dos cargos de presidente dos conselhos de administração de Braskem -empresa em que a Petrobras também é acionista-, Odebrecht Óleo e Gás, Odebrecht Realizações Imobiliárias e Odebrecht Ambiental.

    Em nota ao mercado, antecipada pelo site da Folha de S.Paulo nesta quinta-feira (10) à noite, a empresa diz que a medida "possibilitará que ele se dedique integralmente à sua família e à sua defesa nas ações penais a que responde".

    A nota acrescenta que "ao final dos processos judiciais em curso, a inocência de Marcelo Odebrecht será formalmente reconhecida".

    Outros quatro executivos da Odebrecht foram presos, alguns dos quais já haviam deixado a empresa, caso do lobista Alexandrino Alencar.

    Marcelo Odebrecht durante depoimento à CPI da Petrobras (Giuliano Gomes/Folhapress)

    No fim de outubro, em sua primeira tentativa de defender-se em público desde que foi preso, Odebrecht atacou os procuradores da Operação Lava Jato, afirmou ser vítima de prejulgamento e recusou-se a responder perguntas do juiz Sergio Moro e da acusação, durante depoimento prestado à Justiça.

    "As especulações talvez não tivessem prevalecido se os investigadores tivessem se dado ao trabalho de me ouvir", declarou Odebrecht à época. "Temo que este processo sirva para justificar a prisão preventiva injusta e desnecessária."

    Em agosto, integrantes da cúpula da Odebrecht chegaram a discutir a possibilidade de o executivo aderir a um acordo de delação premiada -ideia depois descartada. Pouco depois, em setembro, o próprio Marcelo Odebrecht descartou a hipótese. "Não tenho o que dedurar", afirmou em sessão da CPI da Petrobras.

    A defesa de Odebrecht fez diversos pedidos à Justiça para que o executivo fosse solto, mas todos acabaram rejeitados. Relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Teori Zavascki negou um pedido no fim de outubro e acrescentou que não havia "ilegalidade flagrante", como argumentaram os advogados de defesa, na prisão do executivo.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Cidadão pode contribuir com leis em portal

    2. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    3. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    4. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    5. Temer exonera oito ministros