Fonte: OpenWeather

    Política


    Arthur diz que ‘economizar’ será palavra de ordem em sua administração

    Arthur Virgílio tomou posse como prefeito de Manaus em cerimônia realizada na tarde desta terça-feira (1º), no Teatro Amazonas, Centro, e, em seu discurso, mostrou como pretende administrar a cidade nos próximos quatro anos. O tom do discurso do prefeito era de preocupação quanto a atual situação da cidade, que, segundo ele, "perdeu a identidade" por causa dos "problemas acumulados há décadas". Por isso, Arthur afirmou que a palavra de ordem de sua gestão será economizar e poupar, sendo que um dos primeiros atos com essa política foi a redução de 25 para 17 secretarias municipais. "Com responsabilidade nos gastos, vamos aumentar em mais de R$ 200 milhões a capacidade de investimento da Prefeitura”, frisou, destacando que, por se tratar de dinheiro público, será ‘pão-duro’, se necessário for. Arthur também informou que irá trabalhar em conjunto e bem próximo ao governo do Estado e todos os órgãos públicos, como o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e o Ministério Público. Uma das falas mais fortes do novo prefeito foi sobre governar sem se preocupar com o cenário político no futuro. "Vou governar sem me preocupar com possibilidades de futuras eleições ou o que possa querer fazer no futuro", disse Arthur. Promessas Os destaques durante a fala do prefeito foram algumas promessas e exigências que foram expostas sobre problemas na cidade. "A partir de agora, carreta não andará durante o dia em Manaus para atrapalhar o trânsito. E quem diz que isso prejudica as empresas, isso não é verdade", falou Arthur sobre uma das exigências expostas. Outra promessa foi aexigência da mudança da sede da Manaus Ambiental, concessionária do serviço de águas na cidade, e que é sempre alvo de críticas, para a Zona Leste. "Quero que eles recebam as críticas diariamente para sentirem na pele como é a falta de água em Manaus", disse o prefeito. Arthur também pontou a valorização do Centro Histórico como um dos principais objetivos de governo e, por isso, ele afirmou que no dia 24 de outubro, aniversário de Manaus, irá reabrir o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, fechado para reforma há mais de seis anos.
    Mais lidas

    1. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    2. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    3. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    4. Temer exonera oito ministros

    5. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base