Fonte: OpenWeather

    Política


    Com receio de racha em convenção, Temer apela por consenso no PMDB

    A fim de evitar se indispor, o vice-presidente pretende não colocar diretamente suas digitais no processo – foto: : José Cruz/ABr
    A fim de evitar se indispor, o vice-presidente pretende não colocar diretamente suas digitais no processo – foto: : José Cruz/ABr

    Com a proximidade da convenção nacional do PMDB, que poderá alterar em março o comando do partido, o vice-presidente Michel Temer -atual presidente da sigla- fez um apelo nesta quarta-feira (6) a deputados federais da sigla para que eles não agravem a divisão interna na legenda.

    O receio do peemedebista é de que um racha no processo de escolha do novo líder da sigla na Câmara, marcado para fevereiro, possa gerar novo conflito entre as bancadas do partido de Minas e do Rio, fortalecendo movimentos que articulam a saída do vice-presidente do comando peemedebista.

    Em encontro com parlamentares do partido, na manhã desta quarta-feira (6), Temer pediu um esforço pela unidade da sigla e defendeu que ela chegue a um consenso sobre a escolha do novo líder para evitar que a bancada peemedebista saia do processo ainda mais fragilizada.

    A fim de evitar se indispor tanto com a ala carioca como com a mineira, as duas com maior peso na convenção nacional da sigla, o vice-presidente pretende não colocar diretamente suas digitais no processo, o que deve ficar a cargo, caso seja necessário uma intervenção, a aliados como os ex-ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

    A definição das regras para a eleição do novo líder do PMDB na Câmara, em fevereiro, criou uma crise na bancada do partido, rachada entre defensores e opositores do governo da presidente Dilma Rousseff.

    Na tentativa de impedir a reeleição de Leonardo Picciani (PMDB-RJ), considerado aliado do Palácio do Planalto, parlamentares favoráveis ao impeachment tem buscado o apoio de Temer para que seja cumprido acordo que foi estabelecido no início do ano passado, quando o peemedebista carioca foi eleito.

    Por essa nova regra, o atual líder só poderá ser reencaminhado ao cargo caso obtenha o apoio de dois terços da bancada do partido, ou seja, de 46 dos 69 deputados federais.

    O acordo, contudo, é questionado por Picciani. Ele defende que seja mantido critério utilizado no início do ano passado, segundo o qual a eleição de um líder pelo apoio da maioria, o que exigiria menos votos para sua reeleição.

    Em dezembro, o vice-presidente atuou para evitar o retorno de Picciani à liderança da bancada do partido depois dele ter sido retirado por uma lista assinada por mais da metade dos deputados federais da legenda.

    Na época, a Executiva Nacional do PMDB, presidida por Temer, publicou resolução para evitar a filiação de parlamentares favoráveis ao peemedebista carioca.

    Em retaliação ao vice-presidente, o Palácio do Planalto e o PMDB no Senado conseguiram reverter a decisão e reconduziram Picciani ao posto oito dias depois dele ter sido substituído por Leonardo Quintão (PMDB-MG).

    Com o feriado do Carnaval, a eleição do novo líder deve ser realizada na segunda ou na terceira semana de fevereiro. Na tentativa de se chegar a um consenso, a bancada da sigla se reunirá na próxima terça-feira (12) para discutir os critérios de escolha.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Cidadão pode contribuir com leis em portal

    2. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    3. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    4. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    5. Temer exonera oito ministros