Fonte: OpenWeather

    Política


    Vereadores de Iranduba são impedidos de ouvir Xinaik

    Comissão tentou liberar oitiva junto à Justiça estadual, mas Comando da PM informou que vereadores não foram autorizados a entrar no CPE - foto: Ione Moreno
    Comissão tentou liberar oitiva junto à Justiça estadual, mas Comando da PM informou que vereadores não foram autorizados a entrar no CPE - foto: Ione Moreno

    A Comissão Processante da Câmara Municipal do Iranduba, que apura o caso de corrupção que envolve o prefeito de Iranduba afastado, Xinaik Medeiros (Pros), foi barrada na tarde de ontem, na portaria do Comando de Policiamento Especializado (CPE), bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste. Por duas horas e meia, vereadores e advogados tentaram autorização do Comando da Polícia Militar do Amazonas para colher o depoimento de Xinaik, mas não passaram da portaria.

    O presidente da Comissão Processante, vereador Jarmison Azevedo (PTB), chegou ao CPE, com a comitiva, por volta das 14h, e deixou a portaria somente às 16h30, sem conseguir colher o depoimento do prefeito afastado. “Fomos impedidos de ouvir o prefeito Xinaik Medeiro. Eu não sei qual é o motivo, não sei qual é a manobra. Mas, nós temos o plano B”, disse o vereador. Na pressa de deixar a portaria do comando, ele não esclareceu qual é o plano B.

    Conforme a assessoria da comissão processante, o prefeito seria convocado para ser ouvido em Iranduba, na sessão de ontem. A comissão aguardava a decisão da desembargadora na última terça-feira (16) e que ela oficiasse à Polícia Militar para fazer o translado do prefeito afastado até a Câmara Municipal de Iranduba. Mas, na noite de terça-feira (16), os parlamentares acolheram solicitação da defesa de Xinaik, para que ele fosse ouvido em Manaus, no CPE.

    De acordo com Azevedo, o pedido de liberação de Xinaik à Justiça do Amazonas para a realização da oitiva com o prefeito afastado recebeu parecer favorável do Ministério Público do Estado. No entanto, segundo a assessoria da comissão, a desembargadora Carla Maria Reis não despachou o pedido.

    “A oitiva foi inclusive liberada pelo Ministério Público. Não sei o porquê da interferência de ouvir o prefeito Xinaik Medeiros, uma vez que a comissão foi instalada no município para ter o poder de ouvir o acusado, que é o prefeito de Iranduba”, criticou.

    O Comando da Polícia Militar do Amazonas informou por meio de nota que não permitiu a entrada dos parlamentares da comissão, “porque não recebeu nenhuma determinação da Justiça envolvendo o ex-prefeito de Iranduba, que está preso em uma unidade Militar da PM-AM”. A nota reforça, ainda que, “qualquer procedimento terá quer ser autorizado pelo juiz competente”.

    Por Emerson Quaresma

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores