Fonte: OpenWeather

    Política


    Ex-senador Luiz Estevão se entrega à polícia no DF

    O ex-senador Luiz Estevão, condenado pelo desvio de verbas públicas destinadas à construção do Fórum Trabalhista localizado em São Paulo (SP), se entregou no início da manhã desta terça-feira (8) à Polícia Civil do Distrito Federal.

    Ele foi conduzido por agentes de sua casa no Lago Sul, região nobre de Brasília, para o Departamento de Polícia Especializada. Luiz Estevão ficará em uma unidade prisional do DF. A expectativa é de que fique no Complexo Penitenciário da Papuda que abrigou condenados no esquema de corrupção do mensalão.

    O ex-senador foi preso por determinação do juiz federal Alesssandro Diaferia. Ele foi condenado em 2006 a 31 anos de prisão pela prática dos crimes de peculato, corrupção ativa, estelionato, formação de quadrilha e uso de documento falso. Desde então, o ex-senador entrou com 34 recursos, que, apesar de mal sucedidos, serviram para evitar que fosse para a cadeia.

    A expedição do mandado de prisão nesta segunda segue o novo entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal), segundo o qual condenados em segunda instância já podem começar a cumprir suas penas - antes, era necessário que todas as possibilidades de recurso se esgotassem.
    Também foi pedida a prisão de Fábio Monteiro, condenado no mesmo caso, que já havia apresentado 29 recursos, igualmente sem sucesso.

    Na decisão, o juiz manifestou preocupação com o fato de que dois dos crimes a que Estevão e Monteiro foram condenados -peculato (sete anos) e estelionato (cinco anos e quatro meses- prescreveriam em 2018 caso a pena não começasse a ser cumprida. As condenações de ambos já haviam sido reduzidas de 31 anos para 25 anos devido à prescrição dos crimes de quadrilha e documento falso.

    Lalau
    Na mesma ação, o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto, o Lalau, que presidia o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, foi condenado a ressarcir os cofres públicos em R$ 1,5 bilhão, cumpriu 14 anos de prisão e foi beneficiado com indulto presidencial em 2014.

    O caso de superfaturamento do Fórum Trabalhista de São Paulo aconteceu em 1992. A construtora Incal venceu a licitação e se associou ao empresário Fábio Monteiro de Barros.
    Em 1998, auditoria do Ministério Público apontou que só 64% da obra do fórum havia sido concluída, mas que 98% dos recursos haviam sido liberados. A obra do fórum foi abandonada em outubro do mesmo ano, um mês após o então juiz Lalau deixar a comissão responsável pela construção.

    Uma CPI na Câmara investigou a obra em 1999. A quebra dos sigilos mostrou pagamentos vultosos das empresas de Fábio Monteiro de Barros, da Incal, ao Grupo OK, do ex-senador Luiz Estevão.

    Durante as investigações, foi descoberto um contrato que transferia 90% das ações da Incal para o Grupo OK. O ex-senador teve o mandato cassado no ano 2000.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    2. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    3. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    4. Temer exonera oito ministros

    5. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base