Fonte: OpenWeather

    Política


    Delator da Lava Jato pagou R$ 95 mil a líder do governo, diz revista

    operacao-lava-jato-prisao_1464739

    Um novo colaborador da Lava Jato afirmou que repassou R$ 95 mil ao líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE) por ter ajudado a empreiteira Engevix, investigada na operação, a conseguir a liberação de um empréstimo junto ao Banco do Nordeste.

    A informação foi publicada na edição deste sábado (12) da revista "Época".

    Segundo o delator, em 2010 ele pediu ajuda a José Guimarães para aproximar José Antunes Sobrinho, um dos sócios da Engevix que hoje está preso, ao presidente do Banco do Nordeste Roberto Smith. O empreiteiro buscava ajuda do petista para conseguir a liberação de um empréstimo de R$ 260 milhões.

    Em troca do favor, Sobrinho pagou R$ 1 milhão de comissão ao petista, diz o delator. Na colaboração, ele informou também que foi o responsável pelo pagamento de R$ 95 mil ao deputado. O valor foi dividido em dois cheques, um de R$ 65 mil e outro de R$ 30 mil.

    A pedido do delator, que afirma temer pela vida, seu nome foi mantido em sigilo pela PGR (Procuradoria Geral da República). A manutenção do nome em segredo após a homologação do acordo é uma exceção em relação às colaborações que vêm sendo celebradas na Lava Jato.

    Segundo a revista, o delator revelou que integrou um esquema clandestino montado pelo PT para arrecadar dinheiro de empresas que tinham interesse em fazer negócios com o governo.

    O responsável pela organização dos desvios era Paulo Ferreira, tesoureiro do PT entre 2005 e 2010 e marido da ministra do Desenvolvimento Social Tereza Campello.

    José Guimarães negou as afirmações do delator e disse que a acusação é política. Paulo Ferreira também negou que tenha praticado irregularidades.

    A Engevix disse que as informações estão sendo prestadas às autoridades competentes.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    2. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    3. Temer exonera oito ministros

    4. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    5. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB