Fonte: OpenWeather

    Política


    Aleam economiza R$ 20 milhões e prepara cortes de gastos

     - foto: divulgação
    Segundo dados do Portal, foram empenhados R$ 70,1 milhões dos quais R$ 42,6 milhões foram liquidados e R$ 40,5 milhões pagos - foto: divulgação

    O presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado Josué Neto (PSD), disse, ontem, que mesmo economizando R$ 20 milhões após dois cortes de gastos na casa, o Legislativo estadual prepara uma nova reforma para tentar driblar a crise econômica e a queda na arrecadação. “A arrecadação (do Estado) caiu e estamos perto do limite prudencial (de gastos estabelecido) na Lei de Responsabilidade Fiscal”, disse.

    Ele descartou que a nova reforma no Legislativo para cortes de gastos resulte em redução do quadro de servidores da casa ou demissão de cargos comissionados. Mas disse que, entre as medidas, está a diminuição de gratificações pelo exercício de funções no Parlamento. Josué Neto informou que se reuniu, na última semana, com os parlamentares membros da mesa diretora e a direção-geral da Aleam para definir de que forma funcionará a nova contenção de gastos. Até o fim desta semana uma nova reunião deve ser realizada, adiantou.

    “Houve uma reunião da mesa diretora onde foram tratados assuntos para a nova contenção de gastos. Mas, em nenhum momento, tratamos de redução de quadros (demissão). Tratamos de outras formas que serão divulgadas na hora oportuna. A reunião foi na semana passada e outra acontecerá até o fim desta semana para que possamos definir tudo”, afirmou Josué Neto.

    No início deste mês, o governador José Melo (Pros) informou que o Estado deixou de arrecadar R$ 110 milhões em janeiro e fevereiro deste ano. A queda na arrecadação, segundo Melo, é resultado direto da crise econômica que assola o país desde 2015. Com a baixa na arrecadação, o orçamento da Assembleia também fica comprometido tendo em vista que corresponde a 3,5% da receita tributária líquida estimada nos orçamentos Fiscal e da Seguridade Social.

    De acordo com dados disponibilizados no Portal da Transparência do Executivo, o orçamento da Aleam deste ano estava estimado em R$ 264,8 milhões. Segundo dados do Portal, foram empenhados R$ 70,1 milhões dos quais R$ 42,6 milhões foram liquidados e R$ 40,5 milhões pagos.

    Além dos gastos com manutenção, a Assembleia tem de arcar com o pagamento dos salários dos 24 deputados estaduais e da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap) no valor de R$ 25,6 mil mensais para cada parlamentar.

    Contenção começou em 2015

    Em outubro de 2015, a Aleam deu início às primeiras medidas de contenção de gastos por conta da queda na arrecadação do Estado. Após estudos técnicos da Procuradoria-Geral, da Diretoria-Geral, do controle externo e da Diretoria de Orçamento da casa, a Assembleia reduziu o horário de expediente, que hoje é das 8h às 14h; suspendeu os serviços de buffet; pagamento de passagens aéreas e diárias; o fretamento de aeronaves; e a redução de 25% de todos os contratos firmados pelo Legislativo. As medidas eram válidas até dezembro do ano passado.
    Em dezembro de 2015, após reunião com a mesa diretora da casa, Josué Neto informou que as medidas de contenção de gastos foram prorrogadas para este ano tendo em vista que, à época, não havia sido registrada melhora na arrecadação do Estado.
    “Essas medidas de contenção tinham validade até o dia 31 de dezembro, mas já existe uma previsão de que a economia do nosso Estado não vai melhorar por enquanto. Ou vai continuar do jeito que está, ou vai cair um pouco mais a arrecadação. Então, achamos de bom tom prorrogar aquelas medidas para que a gente possa compreender e entender o melhor o momento até que a casa possa retomar as despesas”, disse Josué Neto, à época.

    Da Redação

    Mais lidas

    1. Temer exonera oito ministros

    2. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    3. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    4. Amazonino Mendes empossa novos gestores

    5. Propostas de David Almeida serão retiradas de pauta da Aleam