Fonte: OpenWeather

    Política


    Mirian Dutra diz à PF que recebia cerca de US$ 3 mil de FHC

    Mirian, que chegou às 13h40 à sede da PF, não quis dar declarações à saída, por volta das 20h - foto: divulgação
    Mirian, que chegou às 13h40 à sede da PF, não quis dar declarações à saída, por volta das 20h - foto: divulgação

    Em depoimento de mais de cinco horas, a jornalista Mirian Dutra disse à Polícia Federal que recebia cerca de US$ 3 mil mensais do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para custear despesas de educação de seu filho, Tomás.

    Segundo a reportagem apurou, ela declarou que recebia os dólares em espécie.

    Nos anos 90, quando FHC presidia o Brasil, o dinheiro era levado pelo seu cunhado, de nome Fernando, à Portugal. O cunhado levava pessoalmente o dinheiro a Caiscais, onde ela residia.

    Segundo relatou, a jornalista passou a receber o dinheiro na forma de crédito em conta quando passou a morar na Espanha.

    Hoje, disse ela, FHC envia os dólares para Tomás, que vive nos Estados Unidos.

    O dinheiro era usado para custear a educação do menino quando estudava na escola americana.

    No depoimento, Mirian teria mudado a versão de que recebia o dinheiro por intermédio de um contrato com a Brasif, alegando que à época tinha contrato de exclusividade com a Rede Globo.

    Após o depoimento, o advogado João Diogo Bastos disse que apresentará nesta sexta-feira (8) um resumo por escrito do depoimento. Ele disse ainda que a jornalista contestou o teor de entrevistas concedidas por ela.

    Mirian, que chegou às 13h40 à sede da PF, não quis dar declarações à saída, por volta das 20h.

    A jornalista disse que nunca ouviu falar dos apartamentos em Paris e Nova York.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Cidadão pode contribuir com leis em portal

    2. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    3. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    4. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    5. Temer exonera oito ministros