Fonte: OpenWeather

    Política


    PSC pede impeachment de Dilma por erros do governo e critica comunismo

    Bolsonaro disse que o Palácio do Planalto trama um ato terrorista para justificar um estado de exceção – foto: divulgação
    Bolsonaro disse que o Palácio do Planalto trama um ato terrorista para justificar um estado de exceção – foto: divulgação

    Primeiro a falar, o deputado Jair Bolsonaro (RJ) disse que o Brasil não pode se aliar a outras nações latino-americanas que, segundo ele, querem instaurar o comunismo no país. Criticando diretamente a presidenta e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro disse que o Palácio do Planalto trama um ato terrorista para justificar um estado de exceção.

    "Gente que não tem qualquer amor à democracia ou à liberdade. Gente que faz o diabo para chegar ao poder e fará muito mais que o diabo para não deixá-lo. Só não entende quem não quer", disse.

    Mencionando a tomada de poder pelos militares na década de 1960, Jair Bolsonaro disse que a situação atual é "muito mais grave". "Esta Casa cassou no dia 2 de abril de 1964 o João Goulart. Eles dizem que foi golpe. Depois, cassou o Collor de Melo por outro motivo. Mas lá, todos queriam a saída do João Goulart, porque nós estávamos praticamente dentro do comunismo. A mesma coisa agora acontece", disse.

    De acordo com o líder do partido, deputado André Moura (SE), o governo busca dividir o país para continuar no poder. André Moura citou as investigações da Operação Lava-Jato. “Falam que o Brasil está dividido, mas de um lado há a sociedade que clama pelo afastamento da presidente Dilma e do outro lado uma minoria raivosa, disposta até a violência para se manter no poder”.

    O deputado Marco Feliciano (SP) fez críticas ao governo por ser, de acordo com ele, favorável ao aborto e por dividir o Brasil entre grupos antagônicos, como negros e brancos, homossexuais e heterossexuais. O parlamentar condenou ainda tentativas de “deturpar as famílias” e incluir no currículo escolar a educação sexual para crianças.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores