Fonte: OpenWeather

    Política


    Na reta final, Lula pede pelo menos dois votos a governadores pró-Dilma

    Ex-presidente Lula durante evento com movimentos sociais em Brasília - foto: divulgação
    Ex-presidente Lula durante evento com movimentos sociais em Brasília - foto: divulgação

    Numa espécie de esforço final, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou parte da manhã deste domingo (17) ligando para governadores aliados ao Planalto e pedindo que cada um deles conseguisse reverter ao menos dois votos contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

    O movimento chegou ao grupo duro do vice-presidente Michel Temer (PMDB) e foi avaliado como sinal de desespero. No Congresso, mesmo entre petistas, acredita-se que a cartada final do ex-presidente surtirá pouco efeito na votação em curso no plenário da Câmara.

    Lula, que retornou neste domingo a Brasília, também centrou esforços em conversas com aliados que já haviam se declarado favoráveis a Dilma durante a semana. A esses, o ex-presidente voltou a se comprometer que, caso o impeachment seja barrado, o ex-presidente "mudará o governo".

    Nas últimas horas antes do início da votação no plenário da Câmara, o governo perdeu alguns votos, e Lula se movimentou no sentido de "reafirmar os acordos".

    Após a ofensiva do fim da manhã e do horário do almoço, Lula foi ao Palácio da Alvorada se reunir com a presidente Dilma e alguns de seus assessores. Dentro da residência oficial da Presidência da República, Dilma e ministros têm se dividido em salas separadas para receber o maior número de parlamentares e dirigentes partidários possíveis.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores