Fonte: OpenWeather

    Política


    Senadores apresentam questões de ordem sobre impeachment de Dilma

    A comunicação deverá ser publicada no Diário do Senado amanhã (20) e os líderes partidários devem fazer a indicação dos 21 membros da comissão até a sexta-feira (22) à noite - foto: divulgação
    A comunicação deverá ser publicada no Diário do Senado amanhã (20) e os líderes partidários devem fazer a indicação dos 21 membros da comissão até a sexta-feira (22) à noite - foto: divulgação

    Após a leitura da comunicação sobre o recebimento da autorização da Câmara dos Deputados para que o Senado inicie a análise da admissibilidade do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, os senadores apresentam questões de ordem sobre a tramitação do processo.

    A comunicação deverá ser publicada no Diário do Senado amanhã (20) e os líderes partidários devem fazer a indicação dos 21 membros da comissão até a sexta-feira (22) à noite. Pelo calendário divulgado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), como os líderes de partidos que apoiam a presidenta já disseram que deixarão a decisão para o último prazo, a expectativa é que a comissão especial seja instalada na próxima terça-feira (26). Antes disso, porém, a eleição dos 21 membros titulares e suplentes deverá ser feita na sessão deliberativa do plenário da Casa.

    Depois de instalada a comissão especial e eleitos o presidente e relator, o colegiado deverá apresentar, em até dez dias, um parecer sobre a admissibilidade do impeachment que será levado ao plenário. Se o relatório for pela continuidade do processo e for aprovado pela maioria simples dos senadores, a presidenta será imediatamente afastada do cargo pelo prazo de até 180 dias podendo continuar morando no Palácio da Alvorada.

    A partir daí, o processo retornará para a comissão especial, que vai analisar se a presidenta Dilma cometeu crime de responsabilidade e se deve ter o mandato definitivamente cassado. Após o afastamento da presidenta, o Senado não tem prazo para concluir os trabalhos de instrução e julgamento do impeachment.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    2. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    3. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    4. Temer exonera oito ministros

    5. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base