Fonte: OpenWeather

    Política


    Comissão do impeachment no Senado inicia reunião com troca de acusações

    Anastasia rejeitou todos os pedidos sob o argumento de que esse tipo de diligência teria que acontecer apenas na segunda etapa do processo, após a aceitação da denúncia - foto: divulgação
    Anastasia rejeitou todos os pedidos sob o argumento de que esse tipo de diligência teria que acontecer apenas na segunda etapa do processo, após a aceitação da denúncia - foto: divulgação

    A terceira reunião da comissão especial do impeachment do Senado começou, nesta quinta-feira (28), com a troca de acusações entre governistas e oposição. Os primeiros acusaram o relator da comissão, Antonio Anastasia (PSDB-MG), de ser parcial e ter má-fé para conduzir o processo, enquanto os segundos disseram que os governistas querem "sabotar a comissão".

    A discussão começou quando senadores da base apresentaram oito requerimentos para que a comissão pedisse a órgãos de controle, como o TCU (Tribunal de Contas da União), e a ministérios, documentos que pudessem, segundo eles, comprovar que a presidente Dilma Rousseff não cometeu os crimes a ela imputados.

    Anastasia rejeitou todos os pedidos sob o argumento de que esse tipo de diligência teria que acontecer apenas na segunda etapa do processo, após a aceitação da denúncia. Os governistas, então, levaram a questão à votação em plenário, onde também foram derrotados.

    "São documentos importantes para analisar se há justa causa para a admissibilidade da denúncia contra Dilma", argumentou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), uma das autoras dos pedidos, para quem o tucano agiu de "má-fé".

    Após a recusa do relator, a senadora afirmou que Anastasia não tem imparcialidade para conduzir o processo. "O que a gente falava no começo de que o relator não tinha parcialidade e isso parece que está se confirmando hoje", afirmou. O senador Telmário Mota (PDT-RR) chegou a dizer que Anastasia estava censurando a defesa da presidente.

    Os requerimentos foram votados individualmente, o que prolongou o debate sobre a condição do relator. A comissão se reuniu nesta quinta para ouvir os autores da denúncia contra Dilma, Miguel Reale Jr., e Janaína Paschoal. Eles ainda terão duas horas para apresentar a argumentação que embasou o pedido apresentado por eles.

    Com a extensão das discussões, que durou cerca de uma hora, senadores do PSDB acusaram os governistas de atrapalharem os trabalhos da comissão. "O que pedem aqui é deslealdade processual. Estão querendo sabotar essa comissão. Esses documentos são muito fáceis de serem obtidos, são públicos. É só digitar na internet", disse Aloysio Nunes Ferreira (SP). "A base do governo não quer ouvir nossos convidados", completou Ricardo Ferraço (PSDB-ES).

    Os petistas reagiram imediatamente. "Então aprova. Ninguém aqui está querendo sabotar nada não. Falta de respeito. Aqui tem gente cerceando o direito de defesa", rebateu a senadora Fátima Bezerra (PT-RN).

    O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) acusou Anastasia de ter perdido a condição de relatar o processo. Ele afirmou que Miguel Reale Jr. é filiado ao PSDB e Janaína Paschoal trabalhou no governo de Fernando Henrique Cardoso. "A acusação e o juiz são todos do mesmo partido. Isso é um tribunal de exceção", disse.

    O líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE) afirmou que a oposição, que outrora acusava o governo de "passar o rolo compressor", estava fazendo a mesma coisa na comissão especial. "Essa tentativa de nos calar aqui tem uma razão. Estamos não só discutindo o voto dessa comissão mas a opinião pública. As demandas apresentadas aqui tem que ser tratadas com a mesma responsabilidade", disse o petista.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores