Fonte: OpenWeather

    Política


    Habeas Corpus de vereador acusado de vender gasolina da Câmara de Parintins será julgado nesta segunda

    O parlamentar está respondendo ação, após ter vendido combustível da Câmara Municipal - foto: divulgação
    O parlamentar está respondendo ação, após ter vendido combustível da Câmara Municipal - foto: divulgação

    Será julgado nesta segunda-feira (2), o processo de Habeas Corpus impetrado pelo vereador de Parintins (a 367 quilômetros da capital), Raimundo Cardoso (PMDB), conhecido como ‘Cabeça’.  O parlamentar está respondendo ação, após ter vendido combustível da Câmara Municipal.  

    No documento, a defesa do parlamentar pede a suspensão da decisão do juiz da 1ª Vara da Comarca de Parintins, Fábio César de Souza, que afastou ele do cargo de vereador do município, após o mesmo ter sido denunciado pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) por falsidade ideológica, estelionato e peculato. A ação será sentenciada pela desembargadora Carla Reis.

    Entenda o caso

    A promotoria do município denunciou criminalmente os vereadores Raimundo Cardoso e o presidente da Câmara Municipal de Parintins, Everaldo Batista (Pros), pela prática de falsidade ideológica, estelionato e peculato. Os dois parlamentares tiveram o pedido de afastamento de seus cargos acatado pelo juiz.

    Segundo a acusação, o vereador Raimundo Cardoso, teria falsificado documento público, repassando o auxílio-gasolina, pelo valor de R$ 10 mil, a uma terceira pessoa. Depois, o mesmo deixou de entregar o combustível para o comprador, assim consumando o estelionato. Everaldo Batista teria participado desses crimes, ajudando ‘Cabeça’, na consecução dos delitos e acobertando a fraude, ao avalizar a venda.

    Conforme a denúncia do MP-AM, além desses crimes, o vereador Raimundo Cardoso, empregava em seu gabinete uma funcionária fantasma, a qual recebia normalmente remuneração sem trabalhar, o que configurou o crime de peculato.

    Por equipe EM TEMPO Online