Fonte: OpenWeather

    Política


    Justiça Federal recebe denúncia contra Gim Argello e mais oito

    Segundo as investigações, Argello e pessoas de sua confiança cobraram propina de empresas entre abril e dezembro de 2014 - foto: divulgação
    Segundo as investigações, Argello e pessoas de sua confiança cobraram propina de empresas entre abril e dezembro de 2014 - foto: divulgação

    O juiz Sergio Moro aceitou, nesta terça-feira (10), denúncia contra o ex-senador Gim Argello (PTB-DF) e outras oito pessoas, incluindo o seu filho, Jorge Afonso Argello Junior.

    Segundo as investigações, Argello e pessoas de sua confiança cobraram propina de empresas entre abril e dezembro de 2014 para evitar que empreiteiros fossem convocados a depor na CPI do Senado e na CPMI no Senado e na Câmara que apurava corrupção em contratos da Petrobras.

    O presidente da OAS, Léo Pinheiro e o dono da UTC, Ricardo Pessoa, estão entre os que tiveram a denúncia aceita por Moro.

    O empreiteiro Marcelo Odebrecht não teve a sua denúncia recebida pela Justiça Federal. Segundo a decisão de Moro, a denúncia foi rejeitada "por falta de justa causa".

    Os denunciados

    Gim Argello, ex-senador

    Jorge Argello Junior, filho de Gim Argello

    Paulo César Roxo, assessor da campanha do PR-DF em 2014

    Valério Neves Campos, coordenador político do PR-DF em 2014

    Léo Pinheiro, empreiteiro da OAS

    Roberto Zardi Ferreira, executivo da OAS

    Dilson de Cerqueira Paiva Filho, executivo da OAS

    Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC

    Walmir Pinheiro Santana, executivo da UTC