Fonte: OpenWeather

    Política


    Renan arquiva pedido de impeachment de Lewandowski

    Denúncia contra o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, baseava-se somente em especulações jornalísticas e sem justa causa, afirmou o presidente do Senado, Renan Calheiros - foto: Agência Senado
    Denúncia contra Lewandowski, baseava-se somente em especulações e sem justa causa, afirmou, Calheiros - foto: Agência Senado

    O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou nesta quinta-feira (8), no plenário da Casa, o arquivamento do pedido de impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

    Segundo Renan, a denúncia é “amparada exclusivamente em especulações jornalísticas e sem justa causa”. O Movimento Brasil Livre (MBL), autor do pedido, alega que Lewandowski cometeu crime de responsabilidade ao permitir o fatiamento do julgamento do impeachment da presidenta Dilma Rousseff – quando os senadores votaram primeiro o afastamento e depois a manutenção dos direitos políticos.

    “Ao contrário do alegado pelo denunciante, o presidente do Supremo Tribunal Federal foi reconhecidamente diligente na condução do processo, como expressamente reconhecido por senadores e senadoras que participaram do julgamento, despachando e decidindo tempestivamente as petições, questões de ordem e recursos que eventualmente lhe foram endereçados”, afirmou Renan.

    Para o presidente do Senado, os autores do pedido estão ainda “inconformados” com o resultado do julgamento, que culminou no afastamento da presidenta Dilma Rousseff, mas manteve seu direito a exercer funções públicas posteriormente.

    “Em qualquer processo litigioso, toda decisão agrada a alguns e desagrada a outros atores envolvidos, sem que o inconformismo com o resultado macule a independência e a imparcialidade do julgador. No caso objeto da denúncia, a solução adotada não se afasta de outras deliberações de Sua Excelência [Lewandowski] na presidência do processo no Senado Federal”, acrescentou.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Temer exonera oito ministros

    2. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    3. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    4. Amazonino Mendes empossa novos gestores

    5. Propostas de David Almeida serão retiradas de pauta da Aleam