Fonte: OpenWeather

    Política


    Temer vai discutir teto de gastos públicos com bancadas da Câmara e do Senado

    A primeira reunião, prevista para esta terça-feira, tem confirmada, segundo a assessoria de Temer, a participação de ministros - foto: Divulgação
    A primeira reunião, prevista para esta terça-feira, tem confirmada, segundo a assessoria de Temer, a participação de ministros - foto: Divulgação

    O presidente Michel Temer se reunirá nesta terça (27) e quarta-feira (28) com líderes da base aliada da Câmara e do Senado para discutir projetos de interesse do governo e que estão em tramitação no Congresso Nacional, entre eles a proposta de emenda à Constituição (PEC) que estabelece limite de gastos públicos.

    A primeira reunião, prevista para esta terça-feira, às 20h, no Palácio do Alvorada, tem confirmada, segundo a assessoria de Temer, a participação de ministros. Esta será a primeira vez que o presidente reunirá sua equipe na residência oficial do Alvorada, de onde a ex-presidenta Dilma Rousseff se mudou há algumas semanas.

    Já a segunda reunião será na manhã do dia seguinte, às 9h, na residência oficial do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

    Líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso é um dos parlamentares que participarão das reuniões. Segundo ele, a ideia é trabalhar as matérias de forma a obter apoio unânime dos parlamentares da base em favor das medidas que visam recuperar a economia – caso da PEC dos gastos públicos.

    “Essa PEC é fundamental. É um marco e nós temos essa consciência”, afirmou Rosso.

    Na semana passada, durante encontro com empresários em São Paulo, Rodrigo Maia disse que a PEC começará a ser votada no plenário da Câmara em 17 de outubro. De acordo com o deputado, a matéria deverá ser encerrada até novembro.

    Maia ressaltou que a PEC está pronta para ser votada na Comissão Especial na Câmara e deverá estar aprovada até o dia 7.

    No mesmo evento, o presidente da Câmara informou que o Projeto de Lei 4567, de 2016, que retira a obrigatoriedade de atuação da Petrobras como operadora única de todos os blocos contratados pelo regime de partilha de produção em áreas do pré-sal, será votado na primeira semana de outubro.

    “O projeto de lei é importante. O setor de óleo e gás tem cobrado a votação dessa matéria”, concluiu o presidente da Câmara.

    Com informações da Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores