Fonte: OpenWeather

    Política


    Polícia Federal errou ao identificar sigla 'JD', em planilha, como Dirceu

    José-Dirceu
    O advogado de José Dirceu, Roberto Podval, declarou à época que a acusação contra o ex-ministro “não tinha cabimento" - foto; reprodução

    Investigadores da Polícia Federal erraram ao identificar a sigla ‘JD’ como uma referência ao ex-ministro José Dirceu, num relatório da Operação Lava Jato, em fevereiro deste ano.

    As iniciais estão em planilha que indica repasses de propina supostamente ordenados por Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda e preso na última fase da Lava Jato, nesta segunda (26).

    Alguns dos valores são precedidos da rubrica ‘via JD’ -o que indicaria repasses feitos a Dirceu. A investigação, porém, demonstrou que a sigla era uma referência a Juscelino Dourado, ex-chefe de gabinete de Palocci, também preso temporariamente nesta segunda.

    A PF chegou à conclusão após analisar anotações apreendidas de Marcelo Odebrecht, presidente da construtora Odebrecht.

    Numa mesma nota, ele faz referência tanto a ‘JD’ quanto a ‘JDirceu’, o que alertou os investigadores. Em outra nota, a sigla ‘JD’ é sucedida de um número de telefone, de propriedade de Juscelino Dourado, segundo mostrou a agenda do celular de Marcelo. A ligação entre Dourado e o ‘Italiano’, apelido de Palocci mencionado na tabela, reforçou a conclusão.

    "Considerou-se, até pelo que a gente sabia naquele momento, que JD fazia referência a José Dirceu", declarou o delegado federal Filipe Hille Pace, em entrevista à imprensa na última segunda (26). Segundo ele, porém, o "aprofundamento das investigações e novas análises" do material apreendido demonstraram o erro.

    Os repasses ‘via JD’ somam R$ 48 milhões, e ocorreram nos anos de 2009 e 2010. A Polícia Federal ainda investiga de que forma o dinheiro foi pago e quem foram os beneficiários finais dos valores.

    Equívoco

    O advogado de José Dirceu, Roberto Podval, declarou à época que a acusação contra o ex-ministro “não tinha cabimento", já que os repasses não apareciam na contabilidade da consultoria de Dirceu (que se chama JD Assessoria e Consultoria). Agora, ele elogia o reconhecimento do erro.

    "É preocupante, claro, mas o fato de a PF admitir que estava errada é muito positivo. Sou obrigado a aplaudir. A PF demonstra que não tem interesse nenhum em puni-lo por punir".

    O defensor avalia que a celeridade da Lava Jato pode acabar contribuindo para equívocos como este. "É como um rolo compressor. Há que se tomar certo cuidado", disse.

    A Polícia Federal afirma que, tão logo soube do erro, informou a defesa de Dirceu, o Ministério Público Federal e o juiz Sergio Moro sobre o fato.

    Os investigadores ressaltam que, em alguns momentos, a sigla ‘JD’ também era usada por Marcelo Odebrecht como referência ao ex-ministro Dirceu, o que contribuiu para a confusão.

    A identificação de ‘JD’ como Dirceu, à época, não gerou medidas cautelares ou novas acusações contra o ex-ministro.

    O próprio relatório, que pediu a prisão de executivos da Odebrecht, informava que as conclusões poderiam "estar equivocadas".

    "Espera-se, com a decretação das medidas cautelares aqui pleiteadas, que [os investigados] possam explicar a razão e o significado de cada uma das anotações", escreveu Pace, em fevereiro.

    O pedido foi acatado por Moro, que ressaltou que as provas colhidas até então dependiam de aprofundamento e "não representavam juízo definitivo sobre os fatos".

    Por Folha Press

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores