Fonte: OpenWeather

    Política


    Diplomata Alexandre Parola é escolhido porta-voz do governo Temer

    alexandre-parola-reproducao
    O anúncio foi feito após declarações de integrantes do governo serem consideradas contraditórias - foto: reprodução

    O presidente Michel Temer escolheu o diplomata Alexandre Parola como porta-voz da Presidência da República. A nomeação para o cargo, que não era ocupado desde o início do ano passado, foi definida depois da divulgação de declarações de integrantes do governo consideradas contraditórias. Com um porta-voz, o Planalto espera uniformizar o discurso.

    Alexandre Guido Lopes Parola já foi porta-voz da Presidência da República no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e é funcionário de carreira do Ministério das Relações Exteriores. Doutor em filosofia e mestre em economia, Parola foi escolhido após consultas de Temer e discussão de um plano estratégico de comunicação com o jornalista Eduardo Oinegue.

    O governo tem atribuído à falta de articulação interna os ruídos gerados por algumas declarações de integrantes do alto escalão nas últimas semanas, como a do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, sobre o reconhecimento de jornada diária de doze horas para os trabalhadores; e a divulgação, pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que haveria ação da Lava Jato nesta semana.

    Integrante da base aliada de Michel Temer, o deputado Paulinho da Força (SD-SP) chegou a dizer há duas semanas que havia uma “confusão no governo”, com “cada ministro anunciando uma reforma”.

    O último porta-voz da Presidência da República foi o jornalista Thomas Traumann, no governo da presidenta Dilma Rousseff. Ele deixou a Secretaria de Comunicação Social em março de 2015.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Plenário pode votar criação de polícia penal e regulamentação do Uber

    2. Amazonino estabelece medidas para ‘arrumar a casa’

    3. Cidadão pode contribuir com leis em portal

    4. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    5. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar