Fonte: OpenWeather

    Política


    Melo lidera governadores do Norte na construção do Plano Nacional de Segurança

    Uma das propostas é a criação de um Fundo Nacional para as Forças Armadas atuarem na proteção das fronteiras contra o tráfico internacional - Divulgação

    O governador do Amazonas, José Melo, será o porta-voz do grupo de governadores do Norte, do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul na reunião com o presidente da República, Michel Temer, marcada para a tarde desta quarta-feira (18), no Palácio do Planalto, em Brasília. Na pauta da reunião está o Plano Nacional de Segurança Pública e a construção de uma saída para a crise do sistema prisional nacional.

    A indicação foi feita em reunião preliminar realizada pela manhã com o grupo de governadores na representação do Governo do Amazonas em Brasília. A criação de um fundo especial para as Forças Armadas protegerem as fronteiras brasileiras contra o tráfico internacional de drogas e de armas é uma das propostas que José Melo pretende defender na reunião com Temer.

    "A proposta é utilizar a Lei Complementar 97/99 (sobre normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas), dando às Forças Armadas o poder de polícia, além de colocar recursos materiais e equipamentos para que elas possam evitar que a droga saia dos países produtores para os países consumidores. Isto, sim, terá um efeito extremamente positivo", disse o governador, para quem controlar a fronteiras resolveria 70% dos problemas de segurança pública no País.

    De acordo com José Melo, a droga que vai para a Europa, para parte da África e para parte da Ásia passa toda pelos rios da Amazônia. Seria produzida no Peru, Bolívia, Colômbia e Paraguai, com os quais o Brasil tem aproximadamente 7 mil quilômetros de fronteiras sem a devida proteção. Estes países seriam responsáveis por 93% de toda a cocaína produzida no mundo, sendo também os maiores produtores de maconha. "Esta cocaína e esta maconha entra no Brasil ou pelo Paraguai ou pelos rios. Então, qualquer plano de segurança pública tem que ter em mente este combate", defendeu José Melo.

    Enxugando gelo

    Para o governador do Amazonas, o combate do Estado ao tráfico de drogas tem sido eficiente, mas não suficiente. "É enxugar gelo", diz Melo, ao garantir que o sistema de Segurança Pública do Amazonas promoveu, nos últimos dois anos, a maior repressão ao tráfico de drogas da história. Neste período, foram apreendidos, segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública do Amazonas (SSP), 22 toneladas de drogas, o equivalente a 20 anos de apreensões.

    José Melo exaltou a iniciativa do presidente Michel Temer em dividir com os Estados a construção de um plano de segurança nacional. "O presidente da República reconhece que não é um problema dos Estados, é um problema nacional. Pela primeira vez está se ouvindo todo mundo para a construção de um plano. Afinal de contas, traçar um plano de segurança pública para o País não deve ser feito de cima pra baixo, uma vez que os grandes problemas estão nos estados e nos municípios".

    Melo lamentou o tratamento dado pelo governo passado ao sistema carcerário do País, como o contingenciamento dos Recursos do Fundo Penitenciário (Fupen), que seria para a construção de novos presídios. "O Fundo Penitenciário ficou contingenciado quatro anos, quase R$ 3 bilhões, e nós, governadores, ficamos sem recursos para enfrentar o problema", disse.

    A proposta de reforçar a proteção das fronteiras irá somar-se a outras já apresentadas pelo Governo Federal, dentro do Plano Nacional de Segurança, como a permissão para o Exército entrar nos presídios para fazer varreduras, medida inspirada em ações já adotadas em outras circunstâncias no Amazonas; liberação de recursos do Fundo Penitenciário para a construção e ampliação de penitenciárias, além da compra de tecnologias de monitoramento, como tornozeleiras, para monitorar presos que cumprem pena fora dos presídios e scanners, para a revista do que entra no sistema prisional.

    Plano conjunto

    "O nosso plano prevê fronteiras para o controle efetivo de drogas e armas e ajuda do Governo Federal para a manutenção do sistema penitenciário. Recebemos com muito agrado o exemplo do Exército nas varreduras. Isto nasceu de uma experiência do Amazonas, o Comando Militar da Amazônia, com o nosso governo, já fez isso duas vezes na penitenciária Anísio Jobim e foi extremamente positivo. Descobriu-se muitas armas escondidas nos forros, dentro de concreto e, agora, o presidente transfere para o Brasil todo", disse o governador, que pretende solicitar a ajuda do Exército imediatamente.

    Quanto às medidas adotadas pelo Estado para solucionar a crise, ele lista a mudança na cúpula do sistema penitenciário, com a troca do secretário Pedro Florêncio, pelo tenente coronel Cleitman Rabelo Coelho e a substituição do coronel Augusto Sergio Farias pelo coronel David Brandão, no Comando da Polícia Militar. O diretor do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, José Carvalho da Silva, também foi afastado do cargo, sob denúncias de participar de um esquema de corrupção no presídio.


    "Tirei civis e coloquei militares no comando do sistema prisional. Espera-se a pronta resposta mais rápida. Todas as medidas que a gente podia tomar para dar uma garantia de segurança dentro do presídio e aqui fora, tomamos. Mas o sistema carcerário brasileiro é um barril de pólvora, porque as facções criminosas estão lá dentro e elas lutam por poder aqui fora. Essa luta é que ocasiona os homicídios aqui fora, traficante matando traficante", disse Melo, ao citar ainda as medidas tomadas pelo Tribunal de Justiça, Ministério Público e Defensoria Pública do Estado para a soltura de presos provisórios e sem condenação.

    O Governo do Amazonas também anunciou a construção de uma penitenciaria agrícola, com 3.600 vagas.

    Com informações da assessoria

    Mais lidas

    1. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    2. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    3. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    4. Temer exonera oito ministros

    5. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base