Fonte: OpenWeather

    Política


    TRE-AM detecta novas irregularidades em doações

    Eleições 2016 ainda geram levantamentos - Divulgação

    O número de indícios de irregularidades em doações eleitorais, referente às eleições de 2016, no Amazonas, cresceu de 1.842 para 1.896, segundo levantamento da secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), que desde o mês de outubro do ano passado realiza “batimentos”, espécie de análises que são realizadas todas às segundas-feiras para conferir a veracidade das informações prestadas pelos candidatos.

    O coordenador de Controle Interno do tribunal, Hernan Batalha, salientou que no momento, a prioridade é analisar e identificar as transações financeiras realizadas irregularmente. “Temos até o dia 30 de abril para consolidar estes dados e enviar para o Ministério Público Eleitoral. Vamos realizar uma triagem de tudo o que for procedimento financeiro”, explicou. De todos os municípios do Estado, apenas dois não registraram nenhuma operação irregular – Maraã e Silves. A capital amazonense contabilizou 228 doações suspeitas.

    As irregularidades mais explícitas encontradas pelo sistema foram fornecedores com número reduzido de empregados; fornecedor com sócios ou representantes e seus familiares recebedores do Bolsa Família; empresa constituída há 1 ano que possui sócio filiado a partido político; doador inscrito como beneficiário de programas sociais; entre outros.

    Prestação de Contas

    No caso das prestações de contas, o TRE recebeu ao todo 1.449 processos de candidatos e partidos de Manaus, para julgamento. Deste número, sobraram 456 processos, de candidatos não eleitos, que já foram encaminhados para o MP. Antes do envio, ficaram tramitando no tribunal. “O TRE e o MP ficam recebendo a mesma informação dos cartórios do interior. Mas, como o MP tem autonomia para exigir bloqueios de contas, por exemplo, preferimos finalizar o recebimento de dados e deixar este procedimento apenas com o MP, para que analise tome as medidas
    cabíveis”, concluiu.