Fonte: OpenWeather

    Política


    Órgãos federais e estaduais recebem CPI que investiga ex-prefeito de Maués

    Carlos Goés é investigado por desvio de R$ 5 milhões do Fundeb - Divulgação

    A presidência da Câmara Municipal de Maués (distante 253 km de Manaus), protocolou, nesta terça-feira (11), ofícios no Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas da União, Tribunal de Contas do Estado, Polícia Federal, Tribunal de Justiça do Amazonas e Assembleia Legislativa do Amazonas que apresentam denúncias contra o ex-prefeito de Maués, Carlos Góes (PT). Ele é suspeito de participar de possíveis irregularidades no uso de recursos que deveriam ser destinados à educação do município, durante a sua gestão, em 2016.

    De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Maués, vereador Simildon Rocha (Pros), a Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI), instalada em março para investigar essas denúncias, precisa do apoio desses órgãos nas investigações.

    “Formalizamos as denúncias e queremos que esses órgãos nos ajudem nessa investigação porque é povo de Maués que está deixando de usufruir dessa verba destinada a educação. O dinheiro desapareceu dos cofres públicos no ano passado”, afirma.

    Ele explica que o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) enviou mais de R$ 20 milhões para Maués, no entanto, R$ 5 milhões deste montante sumiu dos cofres públicos em menos de 72 horas. Os outros R$ 15 milhões, que poderiam ser usados, por exemplo, para reformar escolas, foram gastos de forma indevida.

    A comissão denominada CPI dos Precatórios é formada por cinco vereadores, sendo eles Luizinho Canindé (PMN), Rodrigo Bentes (PHS), Carla Leite (Prosa), Ronildo Santos (PSB) e Erasmo Alexandre (DEM). Após a criação da CPI, os parlamentares já fizeram, no mesmo dia, a primeira reunião ordinária para definir o rito de trabalhos e o cronograma de ações.

    Durante 90 dias, essa comissão irá apurar o possível desvio de mais de 20 milhões de reais que prejudicou o município de Maués. Serão ouvidos todos os envolvidos nesse caso, principalmente o ex-prefeito, para que saber o que de fato aconteceu com esse dinheiro.

    A reportagem entrou em contato com o ex-prefeito, pelo telefone 993xx-xx19, mas não obteve sucesso até a publicação deste conteúdo.

    Com informações da assessoria

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores