Fonte: OpenWeather

    Política


    Cabeleireiro do PPL não vai ser candidato ao governo do AM; garante partido

    A candidatura de Jardel foi uma manobra do PPL para não perder o prazo para o registro de candidaturas individuais | Reprodução

    O cabeleireiro Jadelvoni Nogueira Deltrudes, o Jardel, do Partido Pátria Livre (PPL), não vai ser candidato ao Governo do Estado na eleição suplementar. É o que garante o presidente do partido no Amazonas, José Ribamar Campelo Aníbal. A informação da candidatura de Jardel, divulgada na tarde deste sábado (24) por veículos de comunicação, surpreendeu a população amazonense, porque o prazo para o registro de candidaturas coletivas encerrou no dia 19 deste mês.

    A candidatura, apresentada por volta das 17h da tarde desta sexta-feira, é legal. O secretário judiciário do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), Waldiney Albuquerque, esclareceu que outro edital foi aberto com o prazo de 48 horas para o registro de candidaturas individuais, como é de praxe na Justiça Eleitoral, e que o candidato esteve na sede do TRE, acompanhado de outros quatro integrantes do PPL, para protocolar a candidatura.

    "O registro de candidatura individual acontece quando o candidato, por contra própria, apresenta os documentos requeridos e solicita uma cadeira no pleito. Geralmente, o prazo para esse tipo de candidatura acontece depois do tempo estipulado para o registro coletivo", explicou Waldiney.

    Embora o nome de Jardel já esteja registrado no TRE, nada impede que o partido apresente um pedido para trocar o candidato. É exatamente o que o PPL pretende fazer.

    "Nós vamos aproveitar este fim de semana para reunir com a diretoria do partido e chegar a um consenso a respeito dos nomes do PPL para as eleições suplementares", declarou Ribamar, garantindo que o novo nome deve ser divulgado na tarde de segunda-feira (26).

    A manobra do PPL foi lançar uma candidatura para não perder o prazo de registro e depois disso decidir um nome para concorrer ao Governo do Amazonas. O presidente do partido disse ainda que o registro de um candidato foi um pedido do diretório nacional, que quer aproveitar as eleições para divulgar o nome e os ideais do partido.

    Jardel é empresário, dono de um salão de beleza e já foi candidato a vereador pelo PPL em 2012 | Reprodução

    Apesar de engenhosa, a estratégia do partido corre riscos na avaliação do secretário judiciário do TRE, que afirmou que os responsáveis pela candidatura tem que apresentar motivos plausíveis para a troca dos nomes.

    "Eles podem trocar normalmente, mas é preciso que essa troca seja aprovada por um juiz relator relator do TRE. Para isso é preciso que sejam apresentados motivos claros", disse Waldiney.

    Jardel já foi candidato a vereador e teve 1.148 votos em 2012. A vice, também provisoriamente registrada, é a advogada Fabiana Campos Silva Wilkens, também do PPL.

    Outros oito candidatos foram registrados para a disputa da eleição suplementar. São eles: Amazonino Mendes (PDT), Eduardo Braga (PMDB), Marcelo Serafim (PSB), Luiz Castro (Rede), Liliana Araújo (PPS), Rebecca Garcia (PP), José Ricardo (PT) e Wilker Barreto (PHS).

    Gabriel Costa
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores