Fonte: OpenWeather

    Política


    Marcelo Ramos volta atrás e cancela caminhada por Diretas Já

    Marcelo ramos disse estar estarrecido com a decisão da liminar - Janailton Falcão

    A caminhada por "Diretas Já" que o ex-deputado estadual Marcelo Ramos (PR), havia marcado para ocorrer às 9h30 desta sexta-feira (29), no bairro Cidade de Deus foi cancelada, devido uma reunião às 19h na sede do Partido Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). A informação foi confirmada pela assessoria de Marcelo.

    A caminhada fazia parte da agenda de campanha política. Entretanto, foi mudada, após o ministro Ricardo Lewandowski suspender as eleições suplementares para o governo do Amazonas por meio de uma liminar.

    A reportagem do EM TEMPO foi até ao local onde ocorreria a caminhada. Entretanto, somente após 30 minutos, a assessoria de Marcelo Ramos informou que a caminhada havia sido cancelada, devido a uma agenda do ex-deputado com o PMDB. Na noite dessa quinta-feira (29), o ex-deputado participará de uma reunião na sede do partido.

    Vice na chapa de Eduardo Braga

    Marcelo Ramos é vice na chapa de Eduardo Braga (PMDB) na disputa pelo governo do Estado. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, Ramos falou que havia recebido estarrecido a decisão da liminar e convocou a população para a caminhada para pedir “Diretas Já”.

    “Amigos, recebemos estarrecidos a notícia da decisão da liminar que suspendeu as eleições diretas para o novo governador do Amazonas. Pelos termos em que foi deferida a decisão, determina o retorno do ex-governador José Melo ao cargo de governador. Amanhã nós teríamos uma caminhada no bairro Cidade de Deus para levar uma mensagem do 15, da esperança, de um futuro melhor para a nossa gente. A caminhada está mantida, no entanto, ela terá o objetivo de denunciar esse absurdo e cobrar pelas realizações de eleições de diretas já, que garante o povo de escolher o novo governador. Quero fazer um chamado de toda a nossa militância, amanhã, as 9h, no bairro de Cidade de Deus, na avenida Nossa Senhora de Fátima. Todos vestidos de preto para demostrar o nosso protesto a essa decisão absurda”, diz Marcelo no vídeo.

    No fim da manhã, Marcelo Ramos divulgou uma nota falando sobre o momento político que o Amazonas passa e abordou a sua aliança com Eduardo Braga. Segundo ele, não foi fácil, porém após conhecer melhor Eduardo Braga, teve a certeza de que "essa é a melhor aliança para tirar o Amazonas da crise".

    Confira nota na íntegra:

    “Todos sabem que não foi uma decisão fácil para mim firmar essa aliança com o Eduardo. Mas a forma como fui recebido por todos, pelo Eduardo, pela dona Sandra e pelos filiados do PMDB e amigos do senador me deu a certeza de que tomei a decisão correta. Meu coração está tranquilo. Por outro lado, conhecer melhor a forma de pensar do Eduardo e da sua equipe afastou alguns preconceitos e me deu a certeza absoluta de que essa aliança é o melhor caminho para tirar o Amazonas da crise e devolver a alegria e a esperança ao nosso povo. A consciência também está tranquila.

    Por tudo isso, nesse momento de instabilidade que estamos vivendo por conta dessa decisão judicial, quero reafirmar a minha confiança na nossa aliança e no nosso projeto e pedir a todos que mantenham o ânimo e a confiança de que não tirarão das mãos do povo o direito de escolher o seu futuro e o seu destino.

    Eduardo e eu, eu e Eduardo, seguimos firmes, de cabeça erguida e lutando pelo legítimo direito de os amazonenses escolherem o seu governador pelo voto direto.

    Hoje à noite teremos nossa reunião as 19h no PMDB e é importante a participação de todos para dar uma demonstração de que não assistiremos passivamente essa covardia com o povo do Amazonas”.

    Mara Magalhães
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Cidadão pode contribuir com leis em portal

    2. Um dos mais importantes juristas brasileiros, Ives Gandra analisa crise no país

    3. Democracia ameaçada pelo avanço do discurso militar

    4. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    5. Temer exonera oito ministros