Fonte: OpenWeather

    Política


    A hora da verdade: disputa entre velhos conhecidos do eleitor

    Amazonino Mendes e Eduardo Braga possuem carreiras políticas entrelaçadas - Arquivo

    Neste domingo, mais de 2 milhões de eleitores irão às urnas para participar de uma eleição atípica e histórica no Estado, na qual irão escolher o novo governador do Amazonas. Apesar de ser um mandato de apenas 14 meses, essa eleição representa muito mais do que isso: está em jogo o futuro político, econômico, social e cultural do Estado para os próximos 5 anos e meio, numa disputa em que os dois candidatos são velhos conhecidos da população, com um histórico de mandatos no Executivo e Legislativo e um legado político na região.

    Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) possuem carreiras políticas entrelaçadas, de idas e vindas, de alianças e rupturas ao longo de 34 anos de atuação. Nos bastidores, são vistos como protagonistas de uma disputa entre criador e criatura, haja vista que, mesmo iniciando suas respectivas trajetórias na vida pública praticamente no mesmo ano, em 1983 – Amazonino como prefeito e Braga como vereador, aos 21 anos de idade – o primeiro se consagrou como padrinho político do peemedebista.

    Leia também: Amazonino Mendes anuncia que não vai participar de último debate

    Mas foi em 1992 que selaram o primeiro “casamento”, quando Braga foi eleito vice-prefeito de Manaus na chapa encabeçada por Amazonino Mendes, tornando-se prefeito posteriormente, com a renúncia de Mendes, que se elegeu governador do Estado nas eleições de 1994.

    Essa é a terceira vez que “criador e criatura” se enfrentam nas urnas; a primeira vez, aconteceu há quase 20 anos, quando Amazonino saiu vitorioso da eleição para governo, em 1998, com 47,1% das urnas apuradas, ainda no primeiro turno.

    Oito anos depois, em 2006, foi a vez de Braga dar o troco e ganhar, também no primeiro turno, se reelegendo para mais 4 anos no comando do governo do Estado. Nessa eleição, Amazonino é visto como favorito e, se as projeções das pesquisas eleitorais se confirmarem, deve ser eleito governador do Amazonas pela quarta vez em sua carreira política.

    O EM TEMPO preparou um breve perfil de ambos os candidatos, com as principais propostas de governo de cada um.

    Ele se orgulha de ter criado mais de 80% de toda a rede pública de saúde

    Amazonino Mendes

    Aos 77 anos, já foi prefeito de Manaus por três vezes, governador do Estado por três mandatos, além de senador da República entre os anos de 1991 e 1992.

    O candidato afirma que todas as três administrações anteriores tiveram marcas revolucionárias, que beneficiaram diretamente o povo da capital e do interior.

    “Eu quero ser reconhecido por alguém que respeitou, ajudou o povo, e que deu oportunidade ao amazonense, além de ter desenvolvido o Estado. Como criador da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), fico muito emocionado ao saber que o filho de pobre cursou numa universidade, se formou e está atuando no mercado de trabalho”, afirmou.

    Ele se orgulha de ter criado mais de 80% de toda a rede pública de saúde, os aeroportos do interior, as delegacias do Estado e metade das escolas existentes no Amazonas.

    Leia também: Pesquisa aponta vitória de Amazonino com até 30 pontos percentuais

    Mesmo admitindo ser cedo para falar sobre o resultado da eleição, o candidato agradece o carinho caloroso que recebeu do eleitor em cada bairro, em cada rua durante toda essa campanha eleitoral. “Foi uma campanha atípica, mas de um gesto de amor indescritível a minha pessoa. Eu já era apaixonado pelo meu povo, eu estou extasiado por esse momento único de minha vida”, disse.

    Em um dos últimos comícios realizados, ele sinalizou a intenção de unir-se administrativamente com a Prefeitura de Manaus, para realizar uma ação conjunta, em benefício da população. “Quando eu falo sobre a ‘Ação Conjunta’ não é pensando somente na capital. É sobre governar junto de todas as prefeituras, em busca de melhorias para cada cidade. Foi por meio da ‘Ação Conjunta’ que nós erguemos vários viadutos, obras importantes em Manaus, e também, no interior”, destacou.

    Além disso, salientou que, paralelo a essa ação, ele tem o objetivo de reorganizar as finanças do Estado. “Quero reestruturar toda a máquina administrativa”, disse.

    O candidato descreve a oportunidade de retornar ao governo como uma chance de resgatar o orgulho do povo amazonense

    Eduardo Braga

    Aos 21 anos, ele estreou na política com um mandato de vereador e, desde então, já atuou como deputado estadual (1986), deputado federal (1990), vice-prefeito de Manaus (1992), prefeito (1994), governador (2002 e 2006) e senador (2010).

    Com mais de três décadas com mandatos políticos, Eduardo Braga acredita que as principais marcas de suas gestões foram as transformações nas vidas das pessoas, observadas por obras como o Prosamim, projeto que urbanizou igarapés de Manaus e realocou moradores, que viviam em situação de risco social, em apartamentos; o Jovem Cidadão, iniciativa que oferecia aulas de arte e cultura aos estudantes da rede pública estadual, no contraturno escolar e garantia o pagamento de R$ 50 aos pais dos alunos com frequência assídua e o Reescrevendo o Futuro, que tinha o objetivo de reduzir o alto índice de analfabetismo no Estado.

    O candidato descreve a oportunidade de retornar ao governo como uma chance de resgatar o orgulho do povo amazonense e colocar o Estado de volta no rumo do desenvolvimento e do crescimento. “Se Deus e o povo permitirem, vamos voltar a governar para zerar as filas dos hospitais, abastecer as unidades de saúde com medicamentos, oferecer tratamento digno aos amazonenses. Vamos retomar obras paradas, gerando emprego e
    renda ao povo”, declarou.

    Essa eleição suplementar acaba sendo um trampolim para uma possível candidatura à reeleição do candidato que vencer na noite deste domingo.

    Quanto a esse assunto, Braga garante que se concentrará, se eleito, em retirar o Amazonas da crise e preparar as bases para a retomada do crescimento.

    “Vamos priorizar as ações que traçamos no plano de emergência para tirar o Amazonas da crise nos próximos 15 meses. Em nosso plano consta, por exemplo, a retomada das obras do Prosamim”, afirmou o candidato.

    Fabiane Morais
    EM TEMPO

    Leia Mais

    Mesmo com desistência de Amazonino, Braga vai à TV para dar entrevista

    3 milhões de usuários deixam de usar ônibus no Brasil; veja qual o principal motivo

    Para especialistas, mudança na Eletrobras vai aumentar tarifa e melhorar gestão