Fonte: OpenWeather

    Política


    Parlamentarismo pode ser implantado a partir de 2022, diz Serra em debate

    Serra fez um defesa enfática da adoção do parlamentarismo no Brasil - Divulgação

    "Estou convencido de que o presidencialismo brasileiro precisa ser mudado. É ineficiente", afirmou o senador José Serra (PSDB) em debate em São Paulo na manhã desta segunda (9). O encontro, realizado no IDP (Instituto de Direito Público) de São Paulo, tratou da reforma política aprovada pelo Congresso na semana passada.

    Serra participou da segunda mesa. A primeira reuniu o ministro do STF Gilmar Mendes, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e o deputado federal Evandro Gussi (PV).

    Em sua mesa,"há várias propostas postas. O debate é muito importante para que se chegue a uma que seja mais eficiente do ponto de vista das mudanças que queremos para o Brasil."

    Leia também: Reforma política: saiba o que muda nas eleições de 2018

    Para o ex-governador de São Paulo, o fato de o país ter passado por dois processos de impeachment em 25 anos -os de Fernando Collor e Dilma Rousseff- é um indício de que o modelo de presidencialismo de coalização está esgotado.

    "No parlamentarismo, mudar de governo é solução. No presidencialismo, é crise. No parlamentarismo, não haveria isso. Você tem um presidente da República, mas ele não entra na tarefa de governo no dia a dia. Essa tarefa é desempenhada por um primeiro-ministro, que forma uma maioria no Congresso", comentou.

    Serra vê boas chances para a aprovação do parlamentarismo pelo Congresso nos próximos anos.
    "Eu trabalho com a ideia de que possamos implantá-lo a partir de 2022. Minha ideia é que cheguemos com uma proposta que possa ser implantada a partir de 2022."

    O parlamentarismo já foi rejeitado pela população em dois plebiscito: um em 1963, outro em 1993.
    Nesse modelo, adotado em países como Reino Unido, Portugal e Itália, o governo é comandado por um primeiro-ministro escolhido pelo Poder Legislativo, que pode trocá-lo a qualquer tempo.

    Serra afirmou que o parlamentarismo é uma bandeira que une seu partido.

    "O PSDB foi fundado por deputados e senadores que trabalharam na Constituinte pelo parlamentarismo. O ponto de partida do PSDB, de unidade, de união, foi o parlamentarismo. E continua sendo uma bandeira nossa muito importante. Estou particularmente empenhado em levá-la adiante."

    Após sua mesa, os senador tucano se recusou a comentar turbulências recentes envolvendo o PSDB, como aguerra virtual entre Alberto Goldman e João Doria e a decisão do STF de afastar o senador Aécio Neves de seu mandato.

    Leia Mais:  

    Jovens do Amazonas sonham em fazer a diferença na política

    Que fenômeno é esse? Entenda como ‘Ama’ se reinventa após mais de 30 anos na política amazonense

    Reforma política: saiba o que muda nas eleições de 2018

    Mais lidas

    1. Lava Jato investiga uso de subsidiárias da Petrobras para favorecer Odebrecht

    2. Temer exonera oito ministros

    3. Líder do governo na Aleam confirma mais três apoiadores na base

    4. Sob pressão, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

    5. Amazonino Mendes empossa novos gestores