Fonte: OpenWeather

    Br 319


    Ibama falta em audiência pública sobre a BR-319 na ALE-AM

    Em discurso, o superintendente do DNIT destacou que o órgão realiza estudos na rodovia desde 2013

    Rodovia BR 319 liga o Amazonas ao restante do País
    Rodovia BR 319 liga o Amazonas ao restante do País | Foto: Márcio Melo

    O auditório Beth Azize na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), foi palco de novas discussões que envolvem questões voltadas para a BR-319, que liga as capitais Manaus (AM) e Porto Velho (RO). Sob comando do deputado estadual Francisco Souza (Podemos), a reunião teve como principal objetivo contribuir para a geração de novos debates entre o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) e o Ibama, sobre a atual situação da rodovia. Entretanto, nenhum representante do Ibama compareceu na audiência.

    Constrangido, o intermediador da reunião, deputado estadual Francisco Souza, ainda fez questão de apresentar o email enviado à instituição ambiental, realizado na última quinta-feira (28). "Eles receberam o convite, mas infelizmente não estão presentes aqui. Mas ainda assim teremos uma reunião construtiva", esclareceu o político.

    Em discurso na palestra, o superintendente do DNIT, José Fábio Porto, destacou que o órgão está realizando estudos na rodovia desde 2013, e que estão seguindo todos os termos de referência do Ibama. Ele ainda garantiu que o trecho do meio da rodovia, deve ser entregue no mais tardar em cerca de dois anos.

    Leia também:  Polícia investiga se mulher caiu ou foi jogada de prédio em Manaus

    "Temos que colocar em pauta que esta é uma das obras mais difíceis que temos, que incluem as épocas chuvosas que temos aqui na região amazônica, que dificultam na pavimentação. Em decorrência disto, que os trabalhos serão realizados em dois anos, resultantes em oito lotes", destacou Fábio, que ainda acrescentou que o trecho do meio é o único que necessita de licenciamento ambiental ao longo de toda a rodovia, e que o departamento nacional sofre com as constantes exigências dos órgãos ambientais.

    Facilidades 

    O doutor Augusto César Barreto Rocha também esteve presente no debate, representando a Federação das Indústrias do Estado do Amazonas, e destacou que as dificuldades sofridas no embarque de mercadorias do Amazonas para as demais áreas do país são enormes.

    "Hoje levamos de 10 a 12 dias para transportar uma mercadoria para São Paulo, e com a BR-319, levaremos apenas 7 dias. E se formos transportar esta mercadoria em medida de urgência por meio de transporte aéreo para Santos (SP) por exemplo, chega a ser ainda mais caro do que uma mercadoria que vem de Xangai (China). Só para se ter ideia das proporções que a falta de um BR gera".

    Associação 

    Enquanto as dificuldades enfrentadas pelos mais de 200 mil habitantes da rodovia, o presidente da Associação Amigos da BR-319, André Marsílio, destacou que a bancada de parlamentares do Amazonas em Brasília, precisa debater mais sobre o assunto no Congresso Federal, afirmando que "é vergonhoso o Estado o fato de não estar ligado aos restante do país".

    Leia mais:

    Conselheira Yara Lins destaca desafios à frente do Tribunal de Contas do Amazonas

    Polícia investiga se mulher caiu ou foi jogada de prédio em Manaus

    Preço do gás pode chegar a R$ 83 no Amazonas