Fonte: OpenWeather

    Saúde E Bem Estar


    Comissão promove debate sobre doenças cardiovasculares

    Debate sobre doença cardiovascular
    Comissão revela que doenças cardiovasculares são responsáveis por 29,4% das mortes registradas no país. - foto: divulgação

    A Comissão de Seguridade Social e Família discute nesta segunda (12) a situação do paciente de alto risco cardiovascular tendo como foco o colesterol, considerado um dos mais graves fatores de risco para as doenças cardiovasculares.
    De acordo com o deputado Alexandre Serfiotis (PMDB-RJ), que propôs o debate, explica que as doenças cardiovasculares são as maiores causas de morte no mundo. Em 2010, conforme cita o parlamentar, elas foram responsáveis por 30% dos óbitos, custando cerca de mais de 850 bilhões de dólares para os governos.

    “No Brasil, apesar de as doenças cardiovasculares terem passado a ser um tema de discussão e ações governamentais em função de uma crescente divulgação dos dados dessas enfermidades, este cenário não tem mudado de forma efetiva. O que se observa é que as doenças cardiovasculares são responsáveis por 29,4% de todas as mortes registradas no país em um ano”, afirma o deputado.

    Segundo Serfiotis, estudos mostram que 60% dessas vítimas são homens, com média de idade de 56 anos. A alta frequência do problema coloca o Brasil entre os 10 países com maior índice de mortes por doenças cardiovasculares no mundo. “O que se busca com a realização de uma audiência pública é ampliar a discussão sobre o fato de que o aumento do mau colesterol é a principal causa das doenças cardiovasculares no Brasil”, explica do deputado.

    Foram convidados:

    - o presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, Marlene Oliveira; Médico Cardiologista e Professor na UNICAMP, Andrei Sposito;
    - o médico cardiologista e diretor clínico do Hospital Alemão Oswaldo Cruz de São Paulo, Marcelo Sampaio; e
    - o diretor presidente da Associação de Diabetes Brasil (ADJ), Carlos José Augusto da Costa.
    O debate será realizado às 14h30, no plenário 7.

    Redação - RL