Fonte: OpenWeather

    Sem Categoria


    Servidores dos Correios decidem nesta terça se vão fazer greve no Amazonas

    Quase 385 mil correspondências deixarão de ser entregues se greve for deflagrada nos Correios – foto: divulgação/EBC
    Servidores dos Correios decidem, nesta terça (23), se seguem outros cinco Estados brasileiros e saem do ‘estado de greve’ para a paralisação por tempo indeterminado – foto: divulgação/EBC – foto: divulgação/EBC

    Aproximadamente 385 mil correspondências deixarão de ser entregues, caso os servidores dos Correios decidam cruzar os braços nesta semana, em protesto pelo reajuste salarial de 2014 e outras 93 pautas que estão sendo negadas pela empresa.

    Conforme o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Amazonas (Sintect-AM), uma proposta feita pela empresa com reajuste de 6,5% e mais uma gratificação foi rejeitada e a categoria aprovou o estado de greve.

    Nesta terça (23), uma nova assembleia será realizada na praça do Congresso para que os servidores aprove a paralisação que tem início programado para amanhã.

    Além da paralisação nas entregas das correspondências, a população deverá ficar sem atendimento comercial, serviços do banco postal e de postagem nos próximos dias. Segundo o presidente do Sintect-AM, Carlos Clei, a proposta não comtempla os anseios da categoria.

    Ele salientou que, se a empresa não apresentar segunda proposta que se aproxime do reajuste exigido pela categoria, os servidores suspenderão por 10 dias as atividades.

    Os servidores pedem aumento salarial de 14,4%, correspondente à inflação, mais aumento real, 11,3% das perdas salariais desde 1994, reajuste linear para todos os servidores dos Correios de R$ 300, reajuste do piso salarial para R$ 3.079,31, baseado na lista de remuneração deste ano, divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), aumento do vale-alimentação, reajuste da cesta básica para R$ 400, melhorias no plano de saúde oferecido para a classe e redução na carga horária de trabalho do carteiro.

    Outros Estados

    Os funcionários dos Correios do Rio Grande do Sul voltaram ao trabalho, nesta segunda (22), interrompendo a greve de dois dias, iniciada no último dia 18. Com isso, apenas cinco Estados têm suas atividades parcialmente paralisadas: Mato Grosso, Minas Gerais, Roraima, Sergipe e Tocantins.

    Os gaúchos rejeitaram a proposta salarial e agendaram assembleia para amanhã. No dia 19, o Rio encerrou a greve após a categoria aceitar a proposta de acréscimo de R$ 200 aos salários dos empregados com menor renda (até R$ 3.077) e, aos demais, reajuste com base na inflação.

    A Fentect, federação nacional da categoria, atribui a decisão dos Estados ao enfraquecimento da mobilização por melhores salários.

    “O movimento quebrou esse ano. O governo federal empurra goela abaixo acordos ruins para a categoria”, disse o secretário-geral, José Rodrigues. “Houve infiltração de ‘pelegos’ dentro dos sindicatos estaduais. São pessoas que preferem defender o governo à categoria”, encerrou o sindicalista.

    Por Gerson Freitas (Jornal AGORA)