Fonte: OpenWeather

    Sem Categoria


    Invasões começam a se estabelecer na Zona Norte de Manaus

    Invasões nos bairros Santa Etelvina e Terra Nova 3 somam-se a outras ocupações que têm crescido na Zona Norte de Manaus – foto: Alberto César Araújo
    Invasões nos bairros Santa Etelvina e Terra Nova 3 somam-se a outras ocupações que têm crescido na Zona Norte de Manaus – foto: Alberto César Araújo

    Os moradores da avenida Passarinho, no bairro Terra Nova 3, Zona Norte de Manaus, vêm perdendo o sossego por conta de uma invasão na área.

    Isso ocorre porque, segundo o líder comunitário Heraldo Araújo Costa, no local invadido seria construído um estacionamento, vestiários para quadra de futebol e boxes de alimentação que complementariam a praça da comunidade.

    “Há muito tempo, um pastor invadiu o terreno e construiu uma igreja evangélica. Logo em seguida, outras pessoas decidiram invadir e construir casas de alvenaria no local. Hoje, não temos a continuação da nossa área de lazer por conta dessa invasão”, disse.

    De acordo com o líder comunitário, há quatro meses uma audiência pública aconteceu entre representantes do bairro e o Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) para definir a situação dos invasores, mas até o momento nada foi definido.

    “O Implurb disse que iria notificar esses invasores, para que as obras que deveriam ser feitas continuassem. Os invasores antigos ainda estão lá e novos começaram a chegar”, declarou.

    A reportagem entrou em contato com o Implurb, mas não obteve resposta.

    Santa Etelvina

    Outra invasão localizada em um terreno particular, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte, próximo ao Centro de Treinamento do Detran, se consolida a cada dia. De acordo com moradores daquela região, os invasores continuam construindo palafitas e queimando material no local.

    Uma denúncia foi registrada na Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) e um boletim de ocorrência foi feito na Delegacia Especializada em Crimes Contra o Idoso (Decci), pelo dono do terreno, o aposentado Geraldo Dib Fidelis, 62.

    A informação repassada a ele pelo Gabinete de Gestão Integrada (GGI) é de que a Polícia Militar seria acionada, para averiguar a situação do local e orientar os proprietários do terreno invadido, para que seja realizada a reintegração de posse.

    Por Michelle Freitas (Jornal AGORA)